08 maio 2014

Generais de orçamento

Mais de uma dezena de oficiais generais abandonou esta quarta-feira as instalações do Instituto de Estudos Superiores Militares (IESM) como sinal de protesto pela presença do ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, no lançamento do último livro do general Loureiro dos Santos, "Reflexões sobre Estratégia VII - Tempos de crise". (...) "Os generais, todos eles na reserva ou na reforma, estavam presentes para a referida cerimónia, ao fim da tarde, mas deixaram a sala quando se aperceberam da chegada do ministro e de que ele poderia intervir, o que não chegou a acontecer". in Expresso, 6-5-2014

É evidente que os senhores generais na reforma - todos capitães por ocasião do 25 da Silva - não se preocupam com a modernização, com a operacionalidade e prontidão das FA's. Em Portugal, salvo raríssimas excepções, todas as revoltas castrenses são ditadas por questões bem menos nobres que a salvação da pátria. Eis, em síntese, o estado a que chegámos: a brigada do reumático dando por inegociáveis os cortes nas reformas e não querendo participar nos sacrifícios impostos aos restantes portugueses. Boa ética patriótica, sem dúvida.

1 comentário:

Bmonteiro disse...

Fiz bem em não ter ido lá.
Péssimo os generais, mal o ministro.
Com os generais 'dispensados' de ter uma visão política que vá para alem dos muros das suas quintas (ramos militares), com os ministros dispensados de os sentar a uma mesa e conversarem olhos nos olhos.
Cada vez mais longe disto tudo, quem viu o agachamento de chefes e oficiais no Exército, à experiência idiota de um MDN com a tropa dos quatro meses.
Dilema: os CEM são seleccionados e nomeados pelos MDN.
De que falarão quando se encontram para esse efeito?
De amendoins?