18 dezembro 2013

O sonho que falta


O grande e incontornável problema das esquerdas e direitas de hoje: há cifras, há contas, mas não há ideias. O drama de Portugal resume-se a isso: não há uma ideia, um partido de ideias, um sonho para o futuro. Está o país derrancado na contemplação do vazio. Há quem pretenda preencher o vazio com ruído, protestos, indignações. Contudo, falta a ideia que provoque o repicar dos sinos do coração, que ajunte e exprima colectivamente a vontade desta gente em não desaparecer do palco da história. Falta a unidade que não se discute, falta o Nós que restitua a coragem, a segurança e a vontade de viver. Falta, em suma, um Rei a Portugal.

Sem comentários: