24 setembro 2013

Certamente que não voto para as autárquicas


Que me lembre, já não voto para as legislativas desde 2005 e para as chamadas autárquicas desde 1997. Para as presidenciais - por as considerar feridas de nulidade por usurpação - nunca votei. Durante muito tempo, pela minha formação, considerei as eleições autárquicas as mais relevantes e verdadeiras, posto serem emanação das realidades locais e darem voz a essa entidade mítica que dá pelo nome de povo. Contudo, foi corrigindo a minha teimosa ingenuidade a respeito desses micro-estados que dão voz, presença, micro-poder e dinheiros a uma constelação de pequenos interesses, pequenas ambições, pequenas habilidades e enorme impreparação. Hoje, tendo presente o triste historial desse "poder local", miniatura do regime dos partidos, das comanditas e redes clientelares que chega a superar em perversidade a matriz inspiradora, julgo que a administração local é assunto demasiado sério para repousar em mãos amadoras. A gestão dos assuntos locais devia - não temo a provocação - estar integrada na administração pública preparada, isto é, profissionalizada, trabalhando por objectivos, avaliada, fiscalizada; ou seja, devia ser uma carreira confiada a quadros superiores do Estado. O poder local centuriou e feudalizou a geografia portuguesa, não exprime qualquer realidade social, não promove nem forma uma elite local, não é racional nem eficaz. É, tão só, um agente empregador de base destinado a alimentar milhares de amigos, familiares, protegidos, satisfazendo o estrato mais baixo das lideranças partidistas. 

6 comentários:

Jesus Carlos disse...

Idem.

Lionheart disse...

Já somos dois. Também não vou votar. A qualidade dos candidatos em Lisboa é PÉSSIMA! A candidatura do Seara, entre outras, como a do inenarrável Pedro Pinto em Sintra, ou a de Menezes no Porto, toda a palhaçada dos "dinossauros" que mudaram de concelho, são uma vergonha para a direita. Recuso-me a perder tempo com esta tralha!

Amélia Saavedra disse...

E em alternativa faz-se o quê para mudar esta situação.. não chega só não votar... e depois?

Pedro Leite Ribeiro disse...

Eu votarei exclusivamente nas autárquicas a ver se ajudo a enxotar um dinossáurio. Em Braga.

Pedro Leite Ribeiro disse...

Mais precisamente, já que em Braga não se pode enxotar o dinossáurio, ajuda-se a varrer os seus ovinhos.

Justiniano disse...

Pelo que vejo e leio, o meu caro punha tudo a servidores do Estado, ou melhor, a quadros superiores do Estado, essa entidade mítica recrutada em marte entre os melhores marcianos.