10 julho 2013

Pina-maniqueiros

Ainda o novo titular do MNE não assinou o compromisso de honra e já uma caterva de pina-maniqueiros (os esbirros das novas inquisições apresentam-se como "jornalistas de investigação) anda em frenesim de denúncias. A inveja, a maledicência e os ajustes de contas, não raro a coberto do anonimato - não raro de autoria de próximos e "amigos" das vítimas - são demonstração da impossibilidade de, aqui, funcionar algo remotamente parecido com uma democracia. Como pode este país exigir a tal cultura da transparência se quase todos, acolitados em grupos, mascarados e blindados no anonimato, incapazes de emulação, despedaçam o primeiro que der um passo em frente ?
É por estas e por outras que a vida política deixou de interessar aos mais avisados e prudentes; é por estas e por outras que a vida parlamentar se foi reduzindo a fulanos e fulanas sem profissão conhecida, que as elites verdadeiras se fecharam no cultivo de jardins escapistas, que os cargos públicos - outrora ocupados por figuras de primeira plana - se destinam hoje a quantos, nada tendo a perder, nada podem temer. 

3 comentários:

alberico.lopes disse...

Realidade nua e crua!Admira-me como é que ainda há alguém que se sujeita a tanto vexame e ignomínia!Sobretudo alimentada por esta com.social esquerdalha, que continua a apadrinhar camelos como seguros,sócrates,monhés costa e cenourinha sampaio!Sem contar com o decrépito cholares,esse gandulo que nos cula até ao tutano e a quem ainda continuam a dar importância,apesar de ser um cadáver já em decomposição!É caso para dizer:Fooda-se que é demais!

Lionheart disse...

Os próximos tempos em Portugal serão caóticos. O regime semi-presidencial é completamente disfuncional. Em primeiro lugar, Portugal não podia ter agora eleições só para que alguns pudessem castigar Portas e o CDS, em especial se daí resultasse uma situação política indefinida. Mas agora temos esta decisão em que para Cavaco deixar a sua marca, o cenário político fica ainda mais crítico. Primeiro porque não há incentIvo nenhum para os partidos da maioria levarem o seu trabalho até ao fim, porque não terão tempo de colher eventuais frutos das medidas impopulares que têm de tomar ainda até 2014. Depois porque vai premiar aqueles no PS que se estão a guardar para melhores tempos.

Espero que aqueles que pediram a intervenção do presidente estejam contentes com a embrulhada que este acaba de criar com esta intervenção. Mais um ponto baixo na política portuguesa. Parabéns. Pode ser que seja mais um passo para o fim deste regime. Se assim for, não se perde tudo.

PS - Lá fora ninguém vai entender o que Cavaco acabou de fazer. Preparemos-nos...

Mrs. C disse...

Os interessados em ocupar o governo estão numa demanda pela busca de poder. Competência de lado, 'tachinhos' para a frente. Assim nunca sairemos da cepa-torta!

falamedisto.blogspot.com