30 julho 2013

Álvaro Santos Pereira em 1908

"Mas se se trata de quem ultrapassa a vulgar mediania intelectual do nosso meio, de quem sempre desprezou os insultos e as piadinhas mordentes dos nossos críticos de três ao vintém, de quem sempre repeliu aduladores hipócritas que da mentira vivem, de quem sempre se impôs pelo seu honesto procedimento e pela sua integridade, de quem nunca soube ceder a transigências que humilham nem a favores que corrompem, ai dele, que todas as suas melhores obras, todas as suas mais valiosas iniciativas, toda a sua boa vontade e persistência esbarrarão inevitavelmente com a indiferença glacial, com o silêncio obstinado dos críticos portugueses".

Homem Cristo Filho, in O País, 7 de Janeiro de 1908

Sem comentários: