28 maio 2013

Vender cutelos a quem nos degolará


A campanha do lóbi das indústrias da morte venceu tangencialmente na cimeira dos ministros dos estrangeiros da União Europeia. No momento em que McCain já se passeia por terras da Síria ocupadas pela Al Qaeda, violação das violações dos direitos soberanos de um Estado com assento nas Nações Unidas, a UE rende-se à política bucaneira da entente franco-britânica. Pela voz da soit-disante representante para os negócios estrangeiros da União, Catherine Asthon - que cada vez mais se parece com uma das criaditas da velha Família Bellamy - foi lido o interminável comboio de novas iniquidades contra o povo sírio. Posto que alguns Estados membros se recusaram avalizar o fornecimento sem restrições de armas destinadas aos terroristas, o Conselho lavou cobardemente as mãos dessa pútrida matéria, fazendo-a transitar para cada um dos governos; ou seja, a partir de hoje, britânicos, franceses ou quaisquer outros membros da União poderão fazer entrar em terras sírias armas destinadas a destruir, ferir e matar. 
A UE não foi mais longe, graças à firme resistência oferecida pela Áustria, Finlândia, Suécia e República Checa. Tratando-se de membros que gozam de confortável liberdade e não estão constrangidos por limitações da sua soberania, depreende-se que outros governos subscreveram as posições belicistas temendo represálias. Assim vai a Europa da União e da Nato, outrora bastião da liberdade, hoje máscara cínica prostituída às mais sinistras agendas.

NB. A posição portuguesa foi, a todos os títulos, de grande clareza. Paulo Portas levantou objecções de forma e conteúdo e não tomou partido pelos adeptos do intervencionismo. Tal posição só nos deixa ficar bem.

4 comentários:

Luís Lavoura disse...

Contrariamente ao presumido pelo autor, o governo português tomou a posição contrária à venda de armas aos rebeldes. O próprio ministro Paulo Portas explicou claramente essa posição aos mídia, dizendo não se poder garantir que as armas vendidas não iriam parar - agora ou até daqui a alguns anos - a mãos indevidas.

Combustões disse...

Luís Lavoura
Esta precisamente a escrever sobre o assunto quando o meu amigo enviou o seu comentário. Agradecido,
Miguel CB

História Maximus disse...

A Rússia já respondeu a este aventureirismo idiota por parte da UE:

https://www.youtube.com/watch?v=68EY7HPLe3o

Com o Putin não fazem farinha...

Bic Laranja disse...

Alvar.