26 maio 2013

Primeiro vencer, depois negociar

O exército sírio continua a explorar as recentes retumbantes vitórias militares, reocupando largas extensões de território, restabelecendo a quadrícula do controlo militar e administrativo, levando sossego e ordem às províncias limítrofes da Turquia, Líbano, Jordânia e Iraque. As imagens apresentam uma longa coluna militar - uma inteira brigada de infantaria - dirigindo-se a Homs, onde se travam duros combates. O entusiasmo e confiança das tropas, o apoio e incentivo que recebem dos populares destoam da desonestidade dos noticiários a que temos acesso no Ocidente. A Síria está a travar uma luta cujos contornos extravasam largamente a geografia do Médio Oriente. Os recentes acontecimentos na Suécia, Grã-Bretanha e França parece darem razão a quantos - incluindo a Rússia, que levou de vencida a guerra contra o radicalismo fundamentalista no Cáucaso - pedem uma urgente alteração da dúbia e sinistra posição de alguns governos ocidentais.

1 comentário:

Pedro Lopes disse...

Muito bom este vídeo.

Era bom que o exército Sírio fiel ao seu povo saísse vencedor deste pesadelo e desta chacina imposta por poderes forasteiros e obscuros.
O FSA é maioritariamente constituído por ghiadistas de fora.

De notar uma coisa: Os soldados do exercito sírio tem uma aparência mais europeia e mediterrânica, enquanto que os do FSA parecem uns selvagens. São extremistas islâmicos fanáticos.

O Regime Sírio parece-me bastante equilibrado e civilizado.
Nas manifestações de apoio a Bachar Al Assad vemos homens sem turbante e mulheres sem burka. Embora isto só por si não quer dizer nada, mas pelo menos mostra as contradições grosseiras dos poderes que governam o Ocidente e que são verdadeiramente anti-ocidentais.