11 maio 2013

Abreu Amorim e os emplastros deste país


Abreu Amorim, de asa caída deste a saída de Relvas, anda em busca do tal lugar como edil em Gaia. Sabemos que a actividade política transporta implícita a total desvergonha, pelo que o inopinado ataque ao ministro das Finanças - escancarada falta de vergonha, aqui acrescida de roncante populismo - serve às maravilhas para demonstrar a falta de classe da nossa classe política. O estrato mais baixo do artesanato político nativo encontra-se no dito "mundo autárquico". Tendo falhado a carreira para ministeriável, Amorim fez súbita colagem ao estilo chão dos afectos de rua e, como o famigerado Emplastro, apareceu nas pantalhas para pedir a demissão do ministro Gaspar. Amorim quer o tal lugar a todo o custo, mordendo até a mão que o alimentou. O eleitorado é, amiúde, boçal, contraditório, desinformado, manipulável, pelo que Amorim, talvez confiando em excesso na proverbial estupidez das pessoas, queira fazer crer que não é do PSD. Sorte tem o ministro Gaspar por não ter sido "eleito coisíssima nenhuma" e, assim, não fazer depender a sua vida profissional dos afectos e iras de um povo entregue às habilidades dos Amorins deste país.

1 comentário:

Luis Moreira disse...

É uma golpada sem vergonha e sem dignidade. Coitado do CAA