25 março 2013

Prepotência ou higienização do Chipre?


Há que saber que o Chipre tem sido ao longo dos últimos 20 anos: o paraíso fiscal não sujeito a escrutínio de milhares de milhões de Euro (o plural de Euro é Euro e não Euros) provenientes da venda de armas, do narcotráfico da Ásia Central, da escravização sexual de dezenas de milhares de mulheres e da fuga ao fisco na Federação Russa. 
O Chipre transformou-se na Tortuga do Mediterrâneo, pelo que o confisco de 30% dos depósitos superiores a 100,000 Euro foi, como tudo o indica, o início de uma campanha que se estenderá a todos os restantes membros da União. A estridência das indignações parece ter omitido o facto de 95% dos depósitos agora tributados possuírem como titulares cidadãos russos. Explicada está, finalmente, a origem do "milagre cipriota".

2 comentários:

Unknown disse...

Uma dúvida: não será "Chipre", sem artigo?
Tal como Portugal ( e não "o" Portugal.
Cpmts.

Freire de Andrade disse...

E o confisco dos depósitos de não russos, incluindo cipriotas? Podem ser só 5%, mas não têm culpa da origem suja do dinheiro dos outros. E não é possível que alguns dos depositantes russos tenham dinheiro ganho honestamente? Pagam os justos juntamente com os pecadores?