29 março 2013

Potenkins portugueses

Se a realidade nos incomoda, inventa-se outra realidade. Se a história nos contraria, escreve-se outra "narrativa". Assim, da noite de quarta para quinta-feira, tal como fazia Estaline ao Lenine agónico, imprimiu-se um Pravda número-único inteiramente destinado ao enfermo. Ora, no caso português, o enfermo são dez milhões e o Príncipe de Potenkim já por aí anda nos ombros do populacho. 

Sem comentários: