24 fevereiro 2013

Os Femen grandoleiros ou a tristeza portuguesa

Na cantoria, tudo gente de trabalho ou os miseráveis da sopa do Sidónio

Tudo o que acontece no Portugal contemporâneo carrega, fatidicamente, um toque de burlesco, de ridículo inconsequente e daquela pacatez rural que condena ao cinzento ou à invisibilidade envergonhada tudo o que sai da lavra dos nossos concidadãos. A recente moda da cantoria do Grândola - habitualmente entoada por gente de meia idade, estômago rotundo, cãs e papada dupla (ah, como operaria maravilhas o Dr. Biscaya naquelas carrancas) - é a versão portuguesa das Femen, troupe de ucranianas* que se passeiam nuas pela Europa em desvairados protestos. A verdade, confesse-se, é que se viu uma, duas, três vezes e perdeu a graça da novidade. Agora, depois de meia dúzia de exibições dos pândegos, a coisa soa a piada sem piada do velho Badaró, que repetia deixas e bonecos até à exaustão. A cantilena está para a mascarada política como os Zorros e as sopeiras do carnaval português. A cantoria, gemida por gente desocupada, é um flagrante da ingénita incapacidade da nossa gente em conviver com as musas. Ali podia haver um violino virtuoso, um clarinete inspirado, uma polifonia exaltante; mas não, é mau, é cansativo, é provinciano e até chega a apiedar. São 20, são 30, 50 em todo o país? Quem paga, quem faz os cartazes, quem transporta as bandeiras, quem oferece os almoços para essas esperas?


O que me surpreende é a passividade bovina das plateias ultrajadas pelos díscolos. Ficam petrificadas, contraídas desse medinho tão português que permite que sessões preparadas com tanto esforço sejam violentadas por meia dúzia de papalvos gritadores que espezinham o mínimo da etiqueta e da chamada urbanidade. Se cem ou duzentos militantes do PSD e do CDS se apresentassem em todas as ocasiões procuradas pelos grandoleiros, estou certo que não voltariam a incomodar quem quer trabalhar.

*Ucraniana nua soa a redundância.

3 comentários:

João José Horta Nobre disse...


"Se cem ou duzentos militantes do PSD e do CDS se apresentassem em todas as ocasiões procuradas pelos grandoleiros, estou certo que não voltariam a incomodar quem quer trabalhar."

Grândolas à parte, se Portugal ainda tivesse portugueses à moda antiga, partidos como o PSD e o CDS já teriam sido riscados do mapa há muito tempo atrás...

alberico.lopes disse...

Lá vem este grandoleiro lembrar que o sócrates, o tal delegado médico dos Mafia dos Vampiros, afinal continua vivo!
Palerma,snr.horta.seca!!

João José Horta Nobre disse...


Caro alberico.lopes,

Desde quando é que eu sou um grandoleiro?

Isto de julgar as pessoas sem as conhecer, normalmente resulta em burradas como a que o senhor escreveu...

Cumprimentos,
João José Horta Nobre