28 fevereiro 2013

Grande Álvaro


Sem lágrimas e transtorno emocional, com os patéticos ecos do Grândola ao fundo, Álvaro Santos Pereira repetiu a única e verdadeira receita para a saída da crise: produzir, dar a conhecer os nossos produtos, preferência pelo que aqui se produz e não importar, mas, mais importante, exportar, exportar, exportar. Com a balança comercial restaurada a favor do país e as exportações chegando a 40% do PIB, Álvaro sonha com os 80 ou 90%. Há uma saída e essa funda-se no trabalho português, na qualidade portuguesa, no atrevimento e risco dos nossos empresários. Tudo o mais são queixumes inconsequentes. Ah, como sonho com o dia em que pedirei em Paris ou Moscovo "dois pastéis de Belém, por favor". Nesse dia, até a Mariza vai cantar o "Fado do Pastel de Nata".

2 comentários:

José Lima disse...

"Com a balança comercial restaurada a favor do país e as exportações chegando a 40% do PIB, Álvaro sonha com os 80 ou 90%."

E por que não até aos 99,99% do PIB? Por que não? Os portugueses teriam de se aguentar - ai aguentam, aguentam! - com uma tanga para taparem as vergonhas, um catre para se deitarem e um taça de arroz ou de couves para comerem diariamente. É isto o que o Miguel pretende, ao fazer uma apologia própria de um propagandista soviético a este (des)governo coelhista? Eu não! E para o caso, se é para sermos reduzidos a este estado concentracionário, então o melhor mesmo é chamar os norte-coreanos para administarem a coisa.

Isabel Metello disse...

Miguel, este Senhor é ridicularizado pela mediocridade, pois pensa, de facto, fora da caixa- é um estrangeirado que connhece os códigos internos e sabe desconstruí-los com distanciamento narrativo e inteligência pragmática e isso irrita a aurea mediocritas, sempre irritou e irritará, pois esta alimenta-se da estagnação de águas amorfas, improdutivas, insalubres, pestilentas... O lema dessa mediocridade reticular é: em equipa que sempre fez perder que continue a fazer perder desde que eles ganhem e os outros se lixem!