25 janeiro 2013

Seguro, punhais&venenos


António José Seguro tem sido um bom líder da oposição razoável, pois que da restante (a oposição de Rilhafoles) pouco há a dizer. Seguro afivela o papel que lhe compete, não se excede, não se submete aos caprichos dementes nem à mentira que ilude, não perde a compostura, não faz promessas nem participa no mainstream dos Baptistas da Silva e manuelinhos de Évora que ganharam notoriedade em tempos de crise. Confesso que, no início, não dava nada por Seguro, para além da sua boa educação. Contudo, ao longo dos últimos dois anos passei a respeitar a sua moderação e rectidão. Para esta alteração de juízo foi determinante a forma com que lidou com os "senhores jornalistas", essa turbamulta rapace de escândalos e sensacionalismo que trepou no concerto das indignações e se substituiu às oposições legítimas. Seguro não lhes dá troco, como não invade os serões televisivos com participações incompatíveis com o exercício de funções oficiais. Seguro é um bom líder, pois tem dado lições de compreensão, tem aplacado a fome de lugares de muita gente que, nada sabendo fazer na vida, precisa de voltar ao poder para satisfazer necessidades vitais, alimentar clientelas, usar a coisa pública e fazer por si e pela prole. 
Há quem pense que lhe caberia o papel do provocador, do simpático mentiroso, do demagogo sem escrúpulos. Seguro escolheu o caminho longo, pelo que não colhe as graças dos trapalhões e vendedores de mantas da Feira do Relógio que ocupam metade da assembleia.. Por tudo isso, assistindo ao estendal de micro-traições que desde ontem se manifestam no interior do seu estado-maior, só lhe posso desejar boa-sorte e que não lhe trema a mão, não hesite nem tergiverse no castigo dos envenenadores.
A vida política é coisa perigosa, sobretudo para gente com princípios. Naquele meio campeiam burlões, aventureiros, carreiristas, mentirosos compulsivos, mitómanos delirantes; em suma, gente infrequentável. Seguro não é um génio e não possuiu carisma arrebatador, mas é certinho, confiável, sensato, comedido e racional. seria uma pena vê-lo substituído por um trampolineiro.

P.S: Fonte muito bem informada sussurrou-me que aquilo no Rato anda em clima de guerra civil, que os inimigos de Seguro não param, que recorrem a todo o tipo de expedientes para defenestrarem o líder socialista até às autárquicas. A baixa política das carantonhas, do fulanismo e do curibequismo em toda a miséria da mais degradada partidocratice. Passos vai-se libertando lentamente das lapas e dos barriguinhas que infestavam o PSD. Seguro que o faça no PS.

2 comentários:

simon disse...

Que pena, Miguel, que aqui não tenha a transferência Facebook ...

eligmu disse...

Que engraçado. Então foi o Seguro que foi eleite por toda a burocracia e pseudo-políticos de carreira do PS, de alto a baixo? Não há nenhum líder partidário que está mais próximo do "aparelho" que o Seguro