21 dezembro 2012

Quatro perguntas sobre a TAP após o fim do mundo

1. Quem vai pagar os 500 milhões do passivo da TAP-Brasil?
2. Quem vai pagar o passivo acumulado de 1.500 milhões da empresa?
3. Quem vai garantir emprego aos milhares de funcionários da TAP que deverão ser despedidos nos próximos dois anos, após cortes em pessoal já decretados na Iberia, British Airways, Air France e Lufthansa?
4. Como se fará a renovação da fronta existente, hoje obsoleta, conhecida a interdição da UE a qualquer injecção de capitais públicos em transportadoras aéreas de bandeira?

Se a crise persistir, não havendo outro candidato, a companhia vai-se esvair lentamente, não obstante o esforço em lutar contra o inevitável. Em 2012, os excelentes resultados obtidos pela empresa não impediram o aumento da dívida que, ao invés de minguar, aumentou, demonstração clara que se trata de um problema estrutural. 

3 comentários:

José Domingos disse...

A companhia da aristocracia proletária. Este pessoal, vive noutro planeta, ainda acreditam na exclusividade de rotas. O caminho para o socialismo, tem destas coisa.

Nelson Mendes disse...

Caro uma citação para aqui lá no cousas. Abraço

alberico.lopes disse...

Sei que não necessita dos meus conselhos,mas daqui faço uma sugestão ao Governo,designadamente ao Dr.Passos Coelho: "venda" a TAP aos "TRABALHADORES" por 1 (UM) Euro!Um único eurozinho!E depois diga-lhes: governem-se com ela!Façam dela o que quiserem,mas têm de pagar as dívidas que acumularam!Que alívio para todos nós!E para o Governo,também!