27 dezembro 2012

O registo de nascimento do patriotismo português: 450 anos sobre a publicação da Primeira Década da Ásia


Neste 2012 que se abeira do fim, caiu no esquecimento uma efeméride da maior relevância cultural; nada menos que a primeira expressão de uma prosa doutrinal de deliberado intuito patriótico, colocando no centro da acção o povo português, protagonista de História. Coube a João de Barros (1496-1570) a formalização de uma teoria da história centrada na iniciativa colectiva do povo português.Esse primeiro patriota português “era (…) homem de venerável presença, alvo de cor, olhos espertos e nariz aquilino, barba comprida e toda branca, magro e não grande de corpo, na prática ainda que grave era aprazível e de grande conversação”. Entrara ao serviço príncipe Dom João (futuro D. João III) como moço do Paço, exercendo funções de guarda-roupa. Ali frequentou a escola palatina na “idade do jogo do pião”, recebendo primícias nas artes liberais, nas ciências, no latim e no grego. Metódico, burocrata talhado para o serviço do Rei, foi-lhe confiada a tesouraria da Casa da Índia, Mina e Ceuta, cargo que ocupou com merecimento entre 1525 e 1528, ascendendo depois à alta burocracia dirigente, sendo nomeado Feitor da Casa da Índia (1533), funções que exerceu ininterruptamente ao longo de trinta e sete anos, até 1567. Em meados da década de 30, recebeu duas capitanias no Maranhão (1535), empresa em que perderia dois filhos e os cabedais, endividando-o para a vida. Pobre, honesto, dedicado, foi um dedicado servidor do Estado, num tempo em que a tentação do enriquecimento ilícito fazia razias, anunciando o desastre económico e financeiro de finais de Quinhentos.

Da sua pena, dedicado ao rei e publicado em 1522, um romance de cavalaria – Primeira parte da cronica do Imperador Clarimundo – a que se seguiu Ropicapnefma (1532), colóquio metafórico em que intervêm o Entendimento e a Vontade e, em 1533, quiçá aspirando ao cargo de cronista do reino, o Panegírico de Dom João III. Em momento de profundas alterações, consequência das reformas Protestante e Católica – a Inquisição foi instituída em Portugal em 1536- a atividade do letrado prosseguiu, espraiando-se por mercadoria espiritual, constituída pelas “artes de aprender a ler” e cartilhas – Gramatica da língua portuguesa (1540); Cartinha com preceitos e mandamentos da santa madre igreja (1540); Dialogo da viciosa vergonha (1540). 

Não sendo cronista geral do reino, escrevendo “não por ofício, mas por inclinação; não por prémio, mas de graça e, mais favorecendo que convidado”, entre os encargos oficiais e os momentos de ócio, concebeu um grande plano que pretendia ser uma história da conquista, da navegação e do comércio de Portugal na Europa, em África, na Ásia e Terra de Vera Cruz (Brasil). Desta “catedral historiográfica” inacabada, inscrevendo um arco cronológico que se inicia em 1420 com o início do povoamento da Madeira e termina em 1549, surgiriam as três décadas publicadas em vida de Barros (Primeira Década, editada por Germão Galharde em 1552; a Segunda Década, também de Galharde, em 1553; a Terceira Década, editada em 1563 por João de Barreira; a Quarta Década, seria completada por João Baptista Lavanha em inícios do século XVII). 

Inspiradas em Tito Lívio, as Décadas dão expressão eloquente à novel historiografia ultramarina, género discursivo que herdava, sintetizava e transpunha as crónicas reais, as histórias eclesiásticas e histórias de cavaleiros de finais da Idade Média, pretendendo-se monumento apologético inculcador de orgulho, consciência de missão histórica e fonte de exemplo. Não se trata, contrariando Hernâni Cidade, de prosa delirante. Barros teve acesso directo às fontes e aos actores principais e secundários da história que quis salvar do esquecimento, foi fiel a um princípio de ordem e equilíbrio, defendendo-se do exagero, procurando o rigor, condições do labor historiográfico. Valeu-se de recursos estilísticos e de modelos próprios do Renascimento, bem da riqueza e subtilezas da língua portuguesa, então já preparada para voos literários, preferindo os grandes acontecimentos aos pequenos factos. Os grandes protagonistas das Décadas são o Infante dom Henrique e Dom João II, pródromos da expansão, assim como Dom Manuel I, Dom Francisco de Almeida, Vasco da Gama, Pedro Álvares Cabral e outros capitães-mores das armadas. Contudo, colocando o povo português - motor do tempo novo – no centro da narrativa, Barros criou uma vibrante narrativa patriótica. Transpostas Colunas de Hércules, tornando o desconhecido conhecido, os portugueses haviam feito do mundo o palco de proezas que emulavam as dos heróis clássicos. 

Não será necessário acentuar a influência de Barros em Camões e lembrar o sucesso que as Décadas conheceram na Europa. De Afonso Ulloa, L’Asia del S. Giovanni di Barros – tradução das Décadas primeira e segunda – editada em Veneza em 1562. Na terceira edição de Delle navigationi et viaggi, de Ramusio (1563), surgem extractos, novíssima revelação de outros mundos e modos insuspeitos. O interesse concitado prolongar-se-ia pelos séculos seguintes, e ainda em inícios do século XVIII, enriquecidos pelo esmero editorial de Pieter van der Aa, Expedições Navais (Scheeps-togt), quadros das viagens dos capitães do Oriente retirados de João de Barros e adornadas por gravuras que são desde então inseparáveis da visão europeia do sub-continente indiano e da Insulíndia. 

Mas para quê falar de coisas de somenos. O importante são as lamúrias, a choraminguice, a rediscussão da dívida, o Professor Doutor Artur Baptista da Silva, as indignações, os ataques à Isabel Jonet, a crise no Sporting, os insultos ao Primeiro-Ministro; isso, sim, são coisas importantes.

Sem comentários: