09 dezembro 2012

Ibi sunt leones


Os cartógrafos carolíngios, sempre que desconheciam com exactidão territórios localizados fora dos limites do império, escreviam displicentemente "ibi sunt leones" (aqui há leões); por outras palavras, inventavam, supunham. Medvedev fez declarações consideradas escandalosas para um responsável político. Escandalizada ficou a "boa imprensa" - a tal que mal sabe assinar o nome - e o coro de indignados foi alargando. Crenças são crenças, cada um acredita no que quer. Eu, por mim, acredito no purgatório, nos anjos, na percepção extra-sensorial. Mas há pior; há quem acredite na bondade do mercado, no calendário maia, na base hitleriana no Polo Sul, na Terra oca, nas guerras justas para espalhar democracia, em sociedades perfeitas e até numa Idade Nova joaquimita dada à luz pela tal mirífica revolução mundial. Pior ainda, há quem acredite na bondade da nossa república. É a nossa costela semita.

Sem comentários: