05 dezembro 2012

A força do Rei está no coração do povo



Imagens sem a grandeza cénica exigida pelo protocolo, mas bem expressivas da unânime adesão de todos os extractos da população tailandesa à monarquia e à pessoa do Rei. Ontem, em todas as províncias deste grande país, cerradas colunas convergiram para as praças centrais das capitais regionais para celebrar os 85 anos do monarca. Trabalhadores fabris, camponeses, empresários, funcionários públicos, estudantes do ensino básico e universitário, escuteiros, muitas associações de carácter profissional, cultural, social e cívico formaram uma impressionante muralha humana em torno do trono. Em Bangkok, foram centenas de milhares os que dormiram ao relento para guardar um lugar. É evidente que tudo isto tem um significado que extravasa a circunstância e a geografia. A "globalização" plutocrática não passou na Tailândia, os modos e adamanes de certo capitalismo apátrida que rima com alienação, subjugação ao estrangeiro, perda da identidade, do patriotismo e da soberania, não conseguiu e não conseguirá passar sobre a alma colectiva de um povo orgulhoso da sua cultura. Felizmente para o antigo Sião, glosando Castoriadis, a era da insignificância aqui não assentou arraiais.
Como alguém um dia me disse, os inimigos da especificidade thai teriam de passar por cima de toda esta gente. Haja Deus !

Sem comentários: