06 novembro 2012

A fronda oligárquica


Aliado do Bloco, do PC e dos já amesendados, ex-líder falhado do CDS, ex-candidato falhado ao sólio de Belém, defensor da Constituição que não quis votar em 76, Amaral é um morto vivo. Do além-túmulo, surge de rompante para exigir a demissão do governo. Esta gente da intriga e da guerrilha ainda não se deu conta que o seu tempo passou, mas teimam em não deixar o palco. Dir-se-ia que ainda não se sentem confortáveis nas suas dachas e querem mais. Já bastava um Soares-macro; agora Freitas, mais Mota Amaral, mais tudo o que foi - por décadas - a raiz de um regime que nos trouxe à fome. Chega.

4 comentários:

Isabel Metello disse...

Meu Deus, é, de facto, mais um flagelo que nos assola! Eu nunca compreendi como Freitas do Amaral e Basílio Horta puderam dar uma volta de quase 180º graus à sombra!

Viriato Cale disse...

Se atentarem bem o Sr. Freitas do Amaral não terá mudado muito.Para mim é um democrata cristão. Talvez se tenha iludido com algumas possibilidades de mudança nalgumas políticas dentro do PS que o arrigimentou porque era conveniente para o PS.Dava jeito ter alguém mais à direita no governo. Freitas deixou-se encantar.
Isso pode acontecer a alguém mais idealista do que racionalista.
O Sr. Freitas do Amaral se mudou é legitimo.
Não sou amigo dele nem sequer conhecido.

Bonaparte disse...

A volta de 180º que esses senhores deram, mais a volta de
180º que esses partidos deram, soma 360º, à sombra! todos à sombra do erário público!

Agnelo Figueiredo disse...

"...defensor da Constituição que não quis votar..."

Ora aí está!