02 setembro 2012

Hoje, em Borodino, também foram lembrados os 500 portugueses caídos em combate


Com grande solenidade e imagens lembrando Griffith e Bondarchuk,  celebrou-se hoje em Borodino o bicentenário da batalha que Lermontov e Tolstoy eternizaram. Uma multidão avaliada em 100.000 espectadores seguiu com entusiasmo as evoluções de 3000 figurantes envergando fardamentos da Grande Armée e do exército de Alexandre I, naquele toque de grandeza teatral que é atributo dos russos.



Putin, no seu discurso, prestou homenagem aos trezentos mil combatentes dos dois campos que naquele 12 de Setembro de 1812, interpretando duas visões da Europa, se digladiaram em furiosas cargas e contra-ataques, do nascer do dia até ao por do sol. A batalha custou quase oitenta mil mortos e feridos e nela caíram cerca de 500 portugueses. Estranho que Portugal não se tenha feito representar, não tenha enviado uma modesta coroa, não tivesse organizado um simples colóquio. Se não fosse a Biblioteca Nacional de Portugal, que prepara uma exposição e um catálogo alusivo à Campanha de 1812, Portugal teria morto pela segunda vez, enterrando-os no esquecimento, esses cinco mil compatriotas caídos nessa luta.

6 comentários:

Xico disse...

Eram 500, e sem dúvida valentes e corajosos, mas também não deixa de ser verdade que combateram num exército que invadira o nosso país. Isto é, no do inimigo?!

AMCD disse...

5 000 compatriotas ou 500?

[Não precisa publicar este comentário. Cumprimentos.]

jorge.oraetlabora disse...

500 (quinhentos) ou 5000 (cinco mil) ? Às vezes, a escrita dos números cardinais sofre erros involuntários...

Combustões disse...

AMCD e Jorge:
Eu não errei. Eram 5000 no início da campanha e morreram 500 em Borodino. No retorno a Koenigsberg eram 200.

Pedro S disse...

"Eram 500, e sem dúvida valentes e corajosos, mas também não deixa de ser verdade que combateram num exército que invadira o nosso país. Isto é, no do inimigo?!"

Esses nossos compatriotas foram recrutados para o exército francês como consequência do sucesso da 1ª invasão francesa, formando a "Legião Portuguesa". Na Convenção de Sintra (1808), foi acordada a saída desimpedida dos exércitos franceses do território português, pondo fim à 1ª invasão francesa. No entanto, o repatriamento da Legião Portuguesa não foi mencionado na Convenção, pelo que continuaram a combater ao lado de Napoleão

Xico disse...

Pedro S
Agradeço-lhe a informação. De facto tendemos a julgar o passado por critérios actuais, daí a minha observação. A sua explicação corrigiu de facto o meu olhar. Bem haja.