12 agosto 2012

Rússia prepara-se para grandes celebrações em Borodino


Para o bicentenário da batalha de Borodino, vilória situada a 120 km de Moscovo e onde se desferiu a 7 de Setembro de 1812 a batalha que Tolstoy eternizou, o governo russo prepara "à la russe" a recriação do embate entre a Grande Armée invasora e o exército imperial de Alexandre I. Não fosse a preparação de um livro-catálogo que estou a terminar, destinado a uma exposição sobre a Campanha da Rússia de 1812 que se inaugurará em finais de Setembro em Lisboa com o patrocínio da embaixada da Federação da Rússia e iria certamente assistir a esse grande evento.
A Rússia recobrou, finalmente, o papel de grande potência e devia ser o grande aliado da Europa ocidental num momento crítico em que o mundo se parece abeirar de grandes convulsões. Não fosse a cegueira e incultura dos pequenos caixeiros-balconistas que regem a Europa, a Rússia - hoje um actor racional e uma democracia - poderia voltar a ser o pólo oriental e o agente do equilíbrio europeu. Mas não, a Europa encheu-se de meninos e meninas alvares, de fateco e sonhos "empreendedoristas" que levarão ao caos.

2 comentários:

Nuno Castelo-Branco disse...

Infelizmente, continuamos a ver demasiadas estrelas vermelhas nas forças armadas russas. Isso causa muita desconfiança.

Duarte Meira disse...


A Rússia e a Alemanha entendem-se, nas condutas de gás como no condomínio imperial sobre a Eurásia.

Mas não há (como diz) "democracia" na Rússia, como não haverá quando ela fizer parte da UE.