21 agosto 2012

O telefonema do coronel


Diabolizar, caricaturar e reduzir à semi-animalidade quem luta pela sua terra, defendendo uma sociedade tolerante e secularizada, eis o que nos tem sido servido ao longo de meses pelos causadores directos de um conflito que, tudo o demonstra, foi minuciosamente preparado. Este simples apontamento - o Coronel que telefona de Aleppo à sua família em Damasco, família sem interdições e véus - tem o efeito de uma pedrada. Entre a turba de bandidos degoladores, bombistas e salafistas incensados pelas cadeias de condicionamento do cruzadismo belicista e esta família, por quem optaria o caro leitor?

Sem comentários: