20 agosto 2012

O PS em calções de banho


Ao longo das últimas semanas, para dar sinais de vida e fazer crer que esta coisa dos partidos ainda mexe, os plantões de serviço à sede das agremiações que se dedicam à geringonça não param de enviar comunicados à imprensa a propósito e a despropósito das mais insignificantes minudências. Hoje, com direito a parangonas, o sargento de dia ao Rato tomou posição sobre umas meretrizes russas que há dias foram sentenciadas por actos hooliganescos de profanação de um templo e acicate ao ódio religioso. Afirma o PS que "a condenação de três jovens, duas das quais mães de crianças pequenas, a dois anos de prisão, pela expressão pacífica mesmo que controversa, dos seus pontos de vista é (...) profundamente inaceitável". Fico pasmado com o enternecimento pela sorte de mães e criancinhas, sabendo que em 2010 as duas extremosas mães, então em adiantada fase de gravidez, se exibiram em pública copulação num museu. Copulação terminada, dirigiram-se ao hospital mais próximo para parir.
O ódio à religião e às crenças alheias parece não incomodar o porta-voz do PS em calções de banho. Desenterra a empresa do Rato coisas velhas, tristes e datadas, que fizeram da jacobinagem dos Costas de antanho a vergonha de Portugal. Mas isso não interessa. Se as Pussy qualquer-coisa se tivessem exibido numa sinagoga ou numa mesquita, não haveria tomadas de posição, mas aplauso à condenação. O que ressuma de tudo isto é a duplicidade de critérios que a afectação do parece-bem impõe. A condenação de três barregãs por desrespeito, vandalização de sentimentos e crenças alheias, demonstra que a Rússia de hoje é infinitamente mais correcta na aplicação das cláusulas constitucionais e do Estado de Direito que as decrépitas democracias ocidentais, que na Rússia se aplicam as leis que visam impedir o ódio, que a Rússia cumpre a Declaração Universal dos Direitos Humanos  no que à defesa e respeito devidos à cultura e à  religião concerne. 
Mas o PS em calções de banho não quer saber dessas coisas. Esperou que ondas frenéticas de falsa indignação de manifestassem nos states e nas inglaterras para fazer copy-page e entrar no coro. Para informação do PS em calções de banho, o problema não tem a ver com a Rússia, mas com todos os Estados onde ainda se respeita a liberdade religiosa. Fosse na pacífica Tailândia budista, as três galdérias teriam sido esquartejadas no terreiro do templo e atiradas ao canal mais próximo.
Seguro que volte depressa dos sóis e dos cremes, pois se a ausência for longa, ainda corre o risco de ver o sargento de dia opinar sobre o buraco do ozono, o último jogo da terceira divisão ou os saldos na Rua dos Fanqueiros.

3 comentários:

DL disse...

Pela lógica xuxa, mulheres que fossem mães de crianças pequenas, podiam cometer os crimes que quisessem, porque estariam sempre a coberto da 'maternidade'.

Isabel Metello disse...

Por acaso, o (in)Seguro deve ter ido passar as férias num destino chic, mas alguns media só se preocupam em focar-se na praia da Manta Rota e a gozar com Massamá, quando se calavam com 2 apartamentos de luxo na R. Castilho do ingenheiro das orais dominicais. é a matriz damasiana novo-riquista no seu pior!
Quanto ao apagão crítico perante as raparigas destrambelhadas, se elas fossem ao locus sacratus do Rato, o comunicado já seria distinto! Eu até creio que já que são tão arrojadas poderiam ter escolhido ou a Praça Vermelha ou o mausoléu de Lenine ou de Staline. Eu até creio que seria muito mais adequado! Aí o Miguel iria ver como o ex-KGB Putin passaria da pena de prisão de 3 anos para prisão perpétua! Não nos esqueçamos do que a matriz sociética fez à Igreja Ortodoxa Russa e a quem tinha Ícones Sagrados em casa. Um ex-KGB é-o toda a vida até ser mumificado (já disse que ia lá ficar democraticamente mais 20 anos, não foi? :) A propósito, o outro lado quer pena de morte para Lucien Assange, não é? Estranho- com tanto psycho por aí, como o Mugabe e ainda o colocam na ONU! Este mundo está louco!

Conservador disse...

1.- O mau gosto existe nas Pussy Riot. Mau gosto puro e desrespeito.

2.- Mas merecerá pena?

3.- A pena não é uma entidade marciana ou consequência de uma moral de sentido único, pois assim sendo seria ilegítima.

3.- Há violação clara da liberdade de expressão. Repare, a liberdade de expressão não tem em conta só o destinatário (putin, Igreja) tem também em conta o sujeito do discurso. Ora, o que elas fizeram foi tão só mau gosto, mais nada.