28 julho 2012

Quando o Rei dava o seu orçamento ao país


Uma das mais torpes campanhas republicanas contra a Casa Real ficou conhecida como o "escândalo da dotação". É sabido que tal dotação fora fixada em 1834 por D. Pedro IV. Haviam passado sessenta anos e não sofrera qualquer actualização, pelo que os gastos correntes e extraordinários de representação corriam directamente do bolso de Dom Carlos I. Há semanas, foi a leilão um bilhete manuscrito do punho do Rei a sua mãe, datado de 1902, no qual Dom Carlos pedia a Dona Maria Pia que lhe emprestasse os seus cavalos para, assim, poder receber com dignidade o Príncipe Vajiravudh, herdeiro do Sião.
Em 1890, a nossa economia foi profundamente abalada pela crise internacional que levou a sucessivas bancarrotas de grandes bancos britânicos e franceses. A crise atingiu Portugal. O Rei, que na sua vida diária se debatia já com uma situação de quase penúria, pediu ao governo que mandasse cortar 20% do seu orçamento e, assim, dar exemplo de contenção. Por amabilidade de Teresa Bandeira, aqui está a nota do governo de 29 de Janeiro de 1892.
Talvez, um exemplo a seguir por Belém !

1 comentário:

Nuno Castelo-Branco disse...

Bem podes ficar à espera. Os 500 serviçais de Belém estão ciosos das suas prerrogativas e o presidente nem sequer recebe o seu salário. Num benemérito acto, prescindiu do mesmo, limitando-se a receber (mais) através de uma reforma qualquer.