20 junho 2012

Ingratidão

Este homem retirou o Egipto da órbita soviética, foi o artífice da plena afirmação da economia de mercado após duas décadas de nasserismo e uma década de modelo híbrido de Sadat, cortou relações com meio mundo árabe para viabilizar Camp David, acolheu o Xá quando os good allies daquele o queriam entregar a Khomeini, fez a paz com Israel em troca da promessa nunca cumprida de uma Palestina independente, participou na Tempestade do Deserto porque lhe garantiram que o Médio Oriente voltaria a ter voz nos areópagos internacionais, assinou de cruz todas as cartas internacionais, salvou nos anos 80 a indústria militar norte-americana, graças ao volume de encomendas destinadas a reapetrechar um dos maiores exércitos do mundo, foi o primeiro líder não ocidental a apoiar os EUA no 11 de Setembro, o primeiro chefe de Estado não-ocidental a enviar tropas para o Afeganistão, o mais intransigente inimigo do fundamentalismo muçulmano, o primeiro presidente de uma nação árabe a convidar João Paulo II  para uma visita de Estado, o homem que deu plena cidadania aos cristãos coptas... A lista estender-se-ia por páginas, mas de nada vale, pois anda por aí muito americanista primário que não vê, não quer ver e insiste em apoiar irracionalmente um império sem pingo de respeito por aqueles nele confiantes.








10 comentários:

Lionheart disse...

Lamentavelmente, o que se assiste hoje no Egipto e o que se seguirá, é muito pior do que o autoritarismo de Mubarak. Entre a ditadura militar ou o totalitarismo islâmico, venha o diabo e escolha.

Teme-se pelo património do Antigo Egipto, completamente a saque por aquela maralha árabe ignorante e fanática. A polícia rouba o que pode e fecha os olhos ao resto. Os arqueólogos não têm condições de segurança para prosseguir os trabalhos. Agora está melhor?? Mais uma argolada monumental daquela porcaria que está na Casa Branca. Venha o mórmon, que pode ser que seja menos corrupto e arrogante. A Europa precisa como que de pão para a boca que o novo Presidente comece a diminuir os défices dos EUA porque grande parte da conflitualidade transatlântica resulta das necessidades de financiamento dos americanos.

Textículos disse...

Não faço ideia de como seria antes de Mubarak, em 2005 e 2006 vivi no Egipto e muito se queixavam os Coptas da subalternidade e da falta de direitos com que viviam.

No caso de Mubarak como de Ben Ali cujos partidos fizeram parte da Internacional Socialista durante anos e foram expulsos ao raiar da Primavera.
http://txticulos.wordpress.com/2011/10/26/onde-estavamos-antes-da-primavera/

Unknown disse...

Parabéns.
Creio que o senhor é a primeira pessoa, na blogosfera,a referir-se a esta traição indigna.
Mas as consequências já estão á vista do "respeitável público"...

intoLisbon disse...

Leio neste blog muitos artigos, os quais gostaria muito de poder partilhar com conhecidos meus,(e tenho a certeza eu não sou caso único) dado isto, era possivel ao Combustões acrescentar a funcionalidade de partilha nas diversas redes (Facebook, Twitter etc) ? Em caso afirmativo fica um link que pode ser útil :
http://sharethis.com/

Obrigado

intoLisbon disse...

Leio neste blog muitos artigos, os quais gostaria muito de poder partilhar com conhecidos meus,(e tenho a certeza eu não sou caso único) dado isto, era possivel ao Combustões acrescentar a funcionalidade de partilha nas diversas redes (Facebook, Twitter etc) ? Em caso afirmativo fica um link que pode ser útil :
http://sharethis.com/

Obrigado

Isabel Metello disse...

Obama traiu a confiança de tanta gente a nível global! Este episódio é eçucidativo da matriz de Judas, que trai por interesses, sem algum respeito por Princípios! Ainda prefiro a mcdonaldização ao fundamentalismo islâmico, por razões lógicas, ainda que Portugal, ao nível da anulação das mulheres (quantas morrem cá por violência doméstica e, na maioria das vezes, no período pós-separação sendo sujeitas a vinganças ignóbeis, adequadas ao perfil do agressor???!!!!) não pode falar muito... Mas depois de ter feito um trabalho sobre a máquina de RP desde Pearl Harbou, passando pela Guerra do Vietname até ao 11 de Setembro, depois de ver Khadafi a ser torturado e morto e a Hilária a rir-se como se estivesse num jogo de futebol e um golo fosse marcado, depois de assistir a dois pesos e duas medidas com genocidas condenados e outros condecorados, conforme as conveniências, fez-se click e lembrei-me da Declaração de Independência dos EUA onde se Jura pela "Sacred Honour" que, pelo constatado derreteu como um icecream no verão do nosso descontentamento! O padrão é sempre o mesmo do do Afeganistão- o que interessa é devastar, para irem para o poeiro funbdamentalistas islâmicos, para depois haver a desculpa
tão conveniente de se arrasar com Inocentes e dar lucros à indústria de armamento! O que vale é nos EUA há o pior e o melhor e como há realmente Liberdade de Expressão são os próprios autores e activistas Norte-americanos a denunciar estas situações! Olhe, por todas as razões e mais algumas-George Clooney a Presidente! Este não soube honrar os seus compromissos, começando por Guantanamo!

José disse...

cortou relações com meio mundo árabe para viabilizar Camp David, acolheu o Xá quando os good allies daquele o queriam entregar a Khomeini, fez a paz com Israel em troca da promessa nunca cumprida de uma Palestina independente

O autor dos actos supra citados foi Sadat e não de Mubarak.

Combustões disse...

Então o José não sabe que Sadat era a figura e Mubarak a sombra?

DaJuba disse...

Era um doce de pessoa, lol. Mas não se preocupe que os generais tomam conta daquilo...

João José Horta Nobre disse...

Publiquei:

http://www.historiamaximus.blogspot.pt/2013/07/ingratidao.html