07 maio 2012

Un idiot à Paris

Haverá milhares de Hollande pelas ruas de França. É daquelas caras que mal deixam memória. Contudo, há semanas que andava a matutar onde tinha encontrado aquele homem pardacento e quase invisível. Não sou bom fisionomista, mas tinha a certeza. Hoje, quando surgiu no palco, aclamado pela turba na Bastilha, lembrei-me: olha, o Bernard Blier. Bastou colocar-lhe os óculos e uns cabelos, bem pintados (pois) asa de morcego. Só espero que o novo ocupante do Eliseu não tente copiar o velho Blier e não usurpe as mais conhecidas fitas em que este foi vedeta: Cent mille dollars au soleil, Un idiot à Paris, Le Distrait ou Série Noire.


3 comentários:

Chardon Ardent disse...

Excellente illustration…

Et maintenant, espérons que les Français face à leur triste sort seront un peu moins arrogants…

Au Royaume de Thaïlande, le président Nicolas Sarkozy avec 1652 suffrages (64,84%) a très largement écrasé son adversaire socialiste qui n’a ramassé que 896 voix populaires dont la majorité au Lycée français de Bangkok (35,16%)… 95 bulletins ont été comptés blancs ou nuls…

Chardon Ardent disse...

Vote blanc record... François Hollande élu avec moins de 50% des votants… 2,1 millions de Français (7%) ont voté blanc en ne prononçant pour aucun des deux candidats du second tour.

Nuno Castelo-Branco disse...

Bem, Sarkozy era do mais ordinário que se possa imaginar. Vivia de um exibicionismo de segunda categoria, as suas ligações com gente inapresentável eram notórias e pela primeira vez desde os tempos de Napoleão e das suas grotescas irmãs e mulher Josefina, há muito o Eliseu não via tantas "poufiasse en titre". Não se perdeu grande coisa, pois "Sarko de Kapozy" era uma critaura que vivia para a hora do telejornal, um tipo sans aucun intérêt. Ser substituído por un chat coupé, isso sim, é uma obra admirável!