03 maio 2012

Soral, brilhante como sempre, sobre a burguesia de ontem e de hoje

1 comentário:

Lionheart disse...

Foi uma grande descortesia a constante crítica de Sarkozy aos ex-governos socialistas de outros países. Essas considerações são uma ingerência na vida interna desses países, uma falta de respeito pelo eleitorado espanhol ou grego e Sarkozy nem tem autoridade moral para fazer essas críticas.

Antes havia cuidado para que as questões ideológicas não atrapalhassem as relações entre os Estados. Agora, uma vez que os partidos de direita e da esquerda convencionais pertencem mais às multinacionais europeias PPE e PSE do que aos seus eleitorados, não há vergonha nenhuma. Não só já vai tudo combinado das reuniões prévias do PPE para o Conselho Europeu, uma vez que a maioria dos governos, ou pelo menos os mais importantes, são de direita (se fossem de esquerda era a mesma coisa no seio do PSE), como o Sarkozy permite-se falar como se o PSOE fosse a oposição socialista do seu país. Já não existem soberanias nacionais? O problema é que o euro permite que os Sarkozy possam cantar de galo. Qual partilha de soberania, qual quê.