03 maio 2012

A pequena direita burguesa e rasca

Há quem goste do estilo. Uma burguesia desmazelada, exibicionista, parasitária, incapaz de dar o exemplo, boçal, inimiga da cultura, sem profissão e para mais mundialista e americanizada. Relógios de "marca", trapos "de marca", resorts, spa's, mais os condomínios e o golfe, a socialite e o jet set, fazem o retrato desta canalha endinheirada e snob . É o sonho de muita gente, cá como lá, mas entre esta burguesia e a classe operária, não havendo diferença nos impulsos e no exemplo, optamos decididamente pela classe operária. 




Sei que para muitos este é o must, a ficção dirigente, um programa de vida. No fundo, é a queda de uma civilização que herdou a velha tradição burguesa do amor pelo trabalho e da ascensão pelo mérito esforçado, o sacrifício - na poupança, no risco e no estudo - e a trocou pelo potlatch do consumismo. Estes são os fazedores dos novos comunistas e dos novos fascistas. É gente gananciosa e predadora, de um egoísmo anal, inimiga de tudo o que desconhece, presumida, aventureira e maligna, pois tudo aquilo em que toca se transforma em negócio e em dinheiro. Foi esta gente que transformou os trabalhadores em "colaboradores", que aderiu à globalização, deslocalizou, trocou a economia pelas finanças, a empresa pela bolsa, as pátrias pelos conglomerados, a Europa pela União. Entre nós, fez razias. Calcule-se o que não terá feito pelo mundo-fora ! A generalidade das pessoas não quer ver, julgando que esta direita pode contrariar o colapso que se aproxima. Não, a verdade é que foi esta gente quem abriu as portas ao abismo. 

Compreendemos, finalmente, a dialéctica entre esta direita plutocrática e a nova esquerda das "causas". Uns e outros precisam do caos, nutrem-se da confusão e são, sem tirar, a mesma moeda. São falsas elites e aspiram ao mesmo. Como sair daqui, eis o grande problema.





1 comentário:

Pedro Leite Ribeiro disse...

A resposta a "como sair daqui, eis o grande problema" parece encontrar-se no próprio texto em "o colapso que se aproxima".