11 maio 2012

E Você, continua a apoiar o terrorismo?





O massacre que ontem teve lugar no centro da capital Síria, perpetrado pelos agentes terroristas instruídos no Líbano por militares franceses assessorados por milicianos líbios, demonstra de forma gráfica a que ponto chegou a subversão de todos os princípios elementares da ordem internacional. Quando o Presidente Sírio se dispunha a aceitar observadores internacionais e dava mais um passo decisivo para a institucionalização de um regime multipartidário (eleições para o parlamento realizaram-se na passada segunda-feira, ditando o fim do monopólio do Partido Baath), os amigos de Paris, Londres e Tel Avive deixaram um recado ao governo legal. Tal como acontecera na Líbia, tudo indica que forças externas poderosíssimas não aceitam a via do diálogo e apostam decididamente pela guerra civil. É tremendo o cinismo daqueles que, tendo feito do combate ao terrorismo a prioridade da política dos Estados do Ocidente, aplicam o double-standard, armando e ilibando terroristas salafistas. E você, caro leitor, continua a apoiar terroristas? As forças da morte andam à solta pelo mundo. Que raio de cruzada pela democracia é esta que justifica a matança por atacado de populações? Que raio de decisores ocidentais são estes que já condenaram à morte os 12% de cristãos sírios, incondicionais apoiantes de um regime que lhes garantiu plena cidadania e respeito pelo exercício do culto? Depois da Líbia, já me disponho aceitar as mais desvairadas teorias conspirativas. Quem manda no Ocidente? O que pretendem? Que forças pretendem acordar para justificar uma guerra global?




3 comentários:

Chardon Ardent disse...

L'imbécile criminel Alain Juppé continuera à japper, mais désormais dans le désert. Quant à son maître, le Bazar-Henri Lévy, ça fait un moment qu'il l'a abandonné en pleine campagne, chien perdu sans collier…

Dès le mardi 31 janvier dernier, Bazar-Henri Lévy déjeunait avec Flanby… Et pas du flan au menu ! C'était chez "Laurent", un restaurant gastronomique haut lieu de la gastronomie parisienne… premier prix, pour les tapas, 140 €… Le "Fouquet’s" comparé au "Laurent" ne serait qu'une "brasserie populaire des Champs"…

Pauvre Syrie… Faut pas attendre de grands changements dans la politique française… Ça risque même d'être pire… avec un probable ministre des Affaires étrangères, Laurent Fabius… Seule interrogation, comment s'entendront un Ashkénaze et un Séfarade débarqué de Béni-Saf, même pour une cause commune : Israël. Plus simplement, Laurent Fabius n'est pas Alain Juppé, le Bazar-Henri Lévy devra trouver un autre pantin à sa mesure pour ses exercices de dressage…

Isabel Metello disse...

Partilho da sua perspicácia- há aqui algo que se vem desenhando e que não se importa algo que seja com este holocausto- muito pelo contrário, quanto mais provocar, mais poder terá...

mujahedin مجاهدين disse...

Que raio de cruzada pela democracia é esta que justifica a matança por atacado de populações?

Depois da Líbia, já me disponho aceitar as mais desvairadas teorias conspirativas. Quem manda no Ocidente? O que pretendem? Que forças pretendem acordar para justificar uma guerra global?

A resposta é evidente. Os alemães aprenderam-na da pior maneira.