02 dezembro 2011

Os estripadores de Lisboa



E os estripadores de bancos, de universidades, de empresas públicas, de câmaras municipais, mais os estranguladores económicos, os lenocidas culturais, os carteiristas do erário público, os bolinadores de cargos públicos, os trombadinhas das redes partidocráticas ? E os crimes continuados contra a nação, o bem-comum, contra o Estado, o património histórico ? Nada disso interessa à Judiciária, às comissões parlamentares, às altas autoridades, aos observatórios ?

3 comentários:

WZD disse...

Se os ditos "irmãos" das maçonarias não tivessem tudo controlado, até era possível uma regeneração do regime, mas como não é assim, pensar o contrário não passa de uma perda de tempo.

dados lançados disse...

Hoje em dia o chamado crime de colarinho branco, a corrupção e afins, já são tão banais que começamos a toma-los como morais e aceitáveis, enfim, é o trista país que temos.

Isabel Metello disse...

Este é mais um produto da miséria moral, ainda que estejamos a lidar com um psicopata, como no caso de DL- as mentes são iguais, ainda que os m.o. sejam distintos. Eu pensei que não fosse ele, mas, bem, logo analisarei bem o que li...
Ora, a psicopatia social é mato, aqui, pois, segundo alguns especialistas há traços genéticos que podem ser catalisados com amabientes de egoísmo social...i.e., estamos sentados sobre um barril de pólvora, pois o que distingue um psicopata de um psicótico é que o primeiro sabe distinguir o Bem do mal, mas opta por este último, pela sua ânsia pelo poder, que pode ser mais ou menos concreto, mais ou menos simbólico...