11 setembro 2011

Onde fica a guerra ?

Dez anos após os ataques terroristas a Nova Iorque e Washington, permanece a sensação de uma guerra inconclusa. Não houve declaração de guerra, dado os actores pertencerem a distintas categorias, não se podendo accionar os mecanismos que o Direito Internacional contempla. A guerra está lá, mas não tem fronteiras, nem frente, nem retaguarda, nem distinção entre civis e militares, nem cartas e convenções. Houve um ataque, morreram três mil pessoas e por mais que os entusiastas das conspirações dêem largas à imaginação - algumas teorias são convincentes - a verdade é que os EUA foram atacados. Se ninguém duvida que o alvo era o Ocidente e tudo o que representa, a resposta dada a tal ataque surge tão confusa que se transformou numa segunda derrota.
Os talibãs foram derrotados? A Al-Qaeda desapareceu? O Irão foi neutralizado? Não. O Ocidente, sabendo de onde o perigo vinha, atacou o Iraque. Recentemente atacou a Líbia, onde em breve surgirá um governo jihadista e agora prepara-se para atacar a Síria, onde florescerá uma teocracia. A lição que podemos tirar - se é que a história pode dar lições - é que a América não possuiu o conhecimento, a serenidade e a experiência para lidar com coisas que ultrapassem a sua visão infantil do mundo. As más lições dão maus resultados. Agora, até a França anda a brincar às guerras.

1 comentário:

Zephyrus disse...

Professor,

a propósito de conspirações:
http://vigilantcitizen.com/latestnews/british-footballer-nathan-eccleston-under-investigation-for-911-tweet/