21 setembro 2011

Jardim cabeça-de-turco e os seus 0,3% de culpa



A moda pegou. O homem é insuportável, mais o seu casca-grossismo, os repentes de loucura inofensiva, a verborreia de quem está no regime mas cobre o regime de impropérios, que se diz independentista mas tem momentos do mais alto patriotismo, que se agarrou ao poder como ficção dirigente mas nunca roubou, que nunca deixou em paz o governo da "república", nem se submeteu a qualquer dos efémeros líderes do seu partido no continente, mas ganhou sempre, folgadamente pelas regras dessa democracia que só aceitam muitos democratas conquanto os outros pensem como eles.


Esta campanha de intoxicação anti-Jardim em véspera de eleições tresanda a arranjo e conspirata que tem a marca daquela curibeca que Jardim tem o supino atrevimento de chamar pelo nome.


Portugal brincou durante décadas. A dívida estratosférica é de 278 mil milhões de Euros - 278 biliões - e dessa vergonha a que se entregaram governos cor-de-rosa e governos laranjas, Jardim carrega uns 1000 milhões de culpa, ou seja, 0,3%. Um pecadilho. Como é prática de quem tanto o ataca, há que encontrar um culpado, se possível um Manuelinho de Évora porque eles, os senhores que nos trouxeram a este aperto pouco menor que o de Alcácer-Quibir, não assumem qualquer culpa e insistem em impor-se como tábuas de salvação do desastre em que nos precipitaram.

9 comentários:

Gollum disse...

Ó alma impura! O problema não é do endividamento, mas do "martelanço" das contas, do esconder o buraco, de tapar o lixo com o tapete..Perecebe? Ou seja, já não podemos dizer que os Gregos martelaram os indicadores e a dívida...nós fizemos o mesmo... O que vai fazer subir os juros da dívida, tirar-nos oo pouco crédito de confiança que tínhamos e acelerar a nossa saída do Euro... Eu sempre quero ver, quando vocês leigos impuros, começardes a pagar créditos à taxa de 29%...acabam-se os blogs por falta de dinheiro para pagar a internet.
Palavra do Senhor!

Isabel Metello disse...

Combustões, acertou na mouche! :))) Este país é pródigo em arranjar bodes respiratórios, ai!, expiatórios, para a responsabilização individual e colectiva ser diluída naquele tipo de culpa muito diáfana em que, pela neblina, não se conseguem ver bem os rostos, e a procissão passa ao som da fanfarra do costume...é mais um remake de tantos, o padrão do m.o. é tão repetitivo que até enjoa, embora em termos cénicos, se não fossem tantas as tragédias diárias, seria, no mínimo uma tragicómédia...agora, a solução dos donos do quintal é culpar o jardoineiro...a moda do moche continua!

Combustões disse...

Os gregos martelaram 600.000 milhões, o Jardim "martelou" 350+500 = 850 milhões. O que me surpreende é a atitude da dona de maison close dos fulanos que dissiparam e agora se armam em santarrões. Outra atitude - que o sr. subscreve - é o da moral do criado. Estamos de cócoras e devemos exibir todos os tiques de sopeiros. É repelente a forma como, de bons alunos ufanos e provincianos, nos transformámos, finalmente, em bons e humildes escravos. Quanto a $, não tenho problemas. Posso pagar a internet durante milénios. Quer que lhe pague a sua ?

José Domingos disse...

Agora, lembrei-me das eleições de 2009, em que o ps (partido da sargeta), escondeu, o real estado das contas públicas, e aumentou os funcionários públicos, em 2,5%.
Esta corja, em seis anos, duplicou a divida externa.
E a pgr, já está a investigar.

Rui F Santos disse...

na mouche, Miguel, como sempre. no artigo, na analise, na resposta ao despudor. abç, Rui Santos

WZD disse...

E todavia, no espectáculo de magia ou ilusionismo que é a vida política nacional, com um simples passe de mágica, um simples gesto com a mão, o ilusionista desviou a atenção do público, de quem realmente meteu a nação do abismo...

João Pedro disse...

Desculpe, Miguel, mas o seu post peca por defeito - não são apenas mil milhões de euros, isso era o valor que Guterres em tempo lhe perdoou - mas bem mais, e cada dia que passa é mais um buraco financeiro não declarado. Construiu obras aos montes (algumas com resultados francamente maus) subsidia os clubes de futebol e a imprensa própria que não impressionariam o Zimbabwe ou a Venezuela, e ainda insulta constantemente o resto do país, mesmo que este lhe envie "suplementos de insularidade" e lhe permita a retenção de impostos. Agora pede solidariedade, mas lembro-me do que ele disse ao longo dos anos da solidariedade para com outros. Se a situação fianceira e económica do país está como está. Deve-se muito a Jardim e ao seu sistema, que emprega uma percentagem de funcionários públicos ainda superior ao da totalidade do país. Se se derrubou eleitoralmente Sócrates pelas suas mistificações, mais razões haverá para fazer o mesmo ao Bokassa da Madeira.

Luis disse...

http://mamadeiralaranja.blogspot.com/2010/07/alberto-joao-jardim-gabriel-drumond-e.html

NanBanJin disse...

A 100% com o João Pedro, nesta matéria.