17 setembro 2011

Convencer o público da necessidade de trancar centenas de milhares de estrangeiros em campos de concentração

4 comentários:

NanBanJin disse...

Caro Miguel:

Previamente provocado ou não, o Japão atacou deliberada e insidiosamente aquele que seria por quatro longos anos, o pior inimigo que alguma vez enfrentou.

Havia uma guerra a travar, e estas comunidades imigrantes, na sua larga maioria leais à sua ancestral pátria, poderiam ter de facto constituído uma 'quinta coluna' em território inimigo, providenciando sabotadores, espiões e todo o tipo combatentes não-convencionais que as circunstâncias sugeriam, pelo que a política concentracionária americana nesta época, mais que adequada era simplesmente uma decisão lógica.

De resto estas comunidades ainda que feridas na sua liberdade e dignidade — ninguém o nega - foram , em geral, tratadas com humanidade por quem os encarcerou temporariamente e uma vez terminada a guerra, a grande maioria regressou às suas vidas pré-internamento.
Se em lugar da América, falássemos da União Soviética de então ou da China de hoje, esta gente não teria passado 4 anos em campos de internamento ou de concentração como lhe queiram chamar : teria, sim, acabado dentro de gigantescas valas comuns.

Bom fim-de-semana,

Luís F. Afonso, Japão

Combustões disse...

Luís:
O que me interessa, alheando-me das paixões e ódios que o tempo sepulta, é a necessidade da justificação. Mutatis mutandis, tudo me soa a algo entre o idílio e o crime escondido: Theresienstadt como lugar perfeito onde "judeus vivem com outros judeus", reservas "onde os índios podem ser índios", retornados "retornando ao seu país" (mesmo que nuca lá tenham estado), "reeducação para inimigos do povo" [voltarem a ser homens].

Daniel Azevedo disse...

Em 1923 na : "CONVENTION CONCERNING THE EXCHANGE OF GREEK AND TURKISH POPULATIONS"
Chamaram-lhe "tranferência de populações".

Crime escondido?

Cumprimentos

Nuno Oliveira disse...

Prescott Bush, pai e avô dos presidentes norte americanos, foi um dos principais envolvidos no patrocínio de Hittler desde o princípio da década de 30 até meados da 2ª Grande Guerra.

Inimigos dos americanos? Os japoneses? Apenas uma das peças do xadrez...

Se quiserem ler mais no The Guardian:
http://www.guardian.co.uk/world/2004/sep/25/usa.secondworldwar