28 julho 2011

Desculpe-me Alfredo Barroso pela direita que temos




Não me interessa saber se são de esquerda ou de direita, matéria irrelevante, mas custa-me que gente desta ande à solta e impunemente vá partindo peça a peça as últimas chávenas de chá do serviço de uma casa que foi, em tempos não muito recuados, modelo de uma digna e discreta elegância. Sei que o estilo da licenciada Caeiro pegou e que todos somos responsáveis pelo triunfo do desbragamento, do reles e do atrevimento, com mais ou menos madeixas de louro-falso, com mais ou menos botoezinhos à almirante e uns tiques de parvenue à mistura. Aliás - lá está o Miguel a dizer inconveniências - eu já tinha dito que a Direita tem o grande inconveniente de não ler, ser quase analfabeta. Agora, caiu nisto. Perdeu a educação, a última coisa que ainda tinha. A licenciada Caeiro deitou ontem por terra o estado de graça em que vivia o governo. Vá-se despir !
Paulo Portas que tome medidas, mande a licenciada Teresa para retiro no convento de Viseu - como a Teresa Albuquerque do Amor de Perdição, que essa, pelo menos foi homiziada por amor - e deixe o governo trabalhar.

Eu sei que estou a pregar no deserto. O tempo dos cavalheiros (e das "cavalheiras", para fazer a graça ao género) é coisa bíblica. As pessoas ainda não compreenderam que a massa entrou porta adentro e no futuro vai ser tudo assim, até ao fim da democracia. Acabou a era do debate e entramos na era do tabefe, da agressão gratuita e do rasca, madeixas de louro-falso incluindo. Não é pelo facto de um homenzinho aparecer em pleno verão de fato pistacho ou uma fulana se mascarar de boneca que se faz uma vida política a brincar à inglesa. É preciso mais, muito mais.

7 comentários:

Lobo da Gardunha disse...

É dicil afirmar, entre os dois intervenientes do debate, quem incendiou o Frente a Frente. Pelo que vi gostei da Teresa Caeiro. Sobre Alfredo Barroso não me identifico com o seu estilo - convencido que é o possuidor da "verdade política".

editor69 disse...

Ó Miguel...
eu não sou certamente um génio analista da coisa mas este Alfredo Barroso é execrável e um mal educadão (também eu o sou às vezes com a ressalva que não tenho direito de antena)...
o estilo Soarista (pai e filho) dele é inconfundivel
o que eu vi foi ele começar a arrastar a Caeiro e a conseguir derrotá-la no nivel a que ele está habituado...digo eu !

Combustões disse...

Eu não sou faccioso e se tiverem o cuidado de rever a lamentável rábula, salta à evidência que a senhora, para além de manifestar uma insegurança aque lhe dá para a agressividade - neste caso, bem pouco inteligente - não foi provocada nem insultada pelo Alfredo Barroso. Ela começou e foi ´descendo até ao rasca, até que o homem se fartou. Aliás, acho que foi muito plácido. Eu teria explodido ou, simplesmente, abandonado o estúdio. Chega de pactuar com gente rasca, seja de esquerda, seja direita e, no caso, absolutamente falha de neurónios.

Bic Laranja disse...

A pobre embatucou. Foi tudo confrangedor!...
Tem razão, é nesta desgraça que vegetamos.
Cumpts.

disse...

Acho, de longa data, o Senhor Alfredo sobrinho uma pessoa execrável.
Mas desta vez está cheio de razão.
No lugar dele, acho que a teria mandado para a p. que a pariu e abandonava a arena.
Digo mais: entrei neste blog hoje pela primeira vez e, só por causa deste post, (em aparência politicamente incorrecto) pretendo visitá-lo mais vezes.

Lionheart disse...

O estilo de Barroso foi francamente acusatório e mal educado para com a sua oponente. Muito mais do que o de Caeiro. E se ela foi inconveniente, quem deu o mote foi ele. A direita tem tanto de pedir "desculpa" por causa dela como a esquerda o tem de fazer por causa desse indivíduo, além do mais intragável. Nunca vi a Teresa Caeiro ter este comportamento com mais ninguém. O mesmo não posso dizer sobre Alfredo Barroso.

JonDays disse...

O mais bonito é a análise antropológica patética do Mário Crespo, que no fim pergunta aos intervenientes o que foi que correu mal, e se ficavam zangados um com o outro? De bradar aos céus! Nota dez, como dizem os nossos irmãos brasileiros! Lindo!