16 julho 2011

Leitura de férias: Veiga Simões em Berlim


Já tinha feito curta menção a este importante documento, publicado há anos pelo Mar da Palavra, mas agora que a crise continental atinge proporções a que só uma grande guerra poderia disputar primazia, aqui fica o convite à leitura da Correspondência de um diplomata no III Reich, os relatórios que o Embaixador Veiga Simões redigiu a partir da capital alemã entre 1933 e 1940. Hoje, procurava informação sobre as negociações luso-siamesas de 1937-38 conducentes à assinatura de um novo tratado entre os dois países e cedo me distraí do fim pretendido. Veiga Simões era um homem de grande inteligência e argúcia e viu, antes de muitos, o caminho directo que a Europa seguia para um cataclismo sem precedentes. A ler, pois se a história não se repete,os homens sempre foram os mesmos.

Lindenmarsch

1 comentário:

Pedro Leite Ribeiro disse...

De facto, acho que nunca tinha pensado tão claramente nisto. Partindo do princípio de que a História não se repete não podemos deixar de considerar que ela é feita pelos homens e estes têm mudado muito pouco ao longo dos séculos. Hum... se a crise bater à porta dos EUA não podemos desprezar o facto de que este é um país habituado a considerar a guerra como uma extensão natural da política, selecção "natural", factor de relançamento da economia e surgimento de inúmeras oportunidades de negócios.