14 junho 2011

Prosas fantásticas: a mulher-criança inglesa


"O resto dos passageiros eram ingleses: sete homens e uma dama, tão feia quanto uma inglesa sabe ser, mas que trajava sempre um vestido branco, com saia curta, como usara uma criança de pouco mais de dez anos".


Adolfo Loureiro, No Oriente de Nápoles à China, Lisboa, Imp. Nacional, 1897.

Sem comentários: