08 junho 2011

Português, logo Timorense


O Senhor Dom Duarte recebeu o maior galardão que um Estado e um povo podem oferecer a um homem. A notícia é duplamente feliz, pois vem demonstrar a persistência da memória da Monarquia em Portugal e no espaço português e afoga à nascença [mais] uma vil campanha contra o Chefe da Casa Real, desta vez ultrajado em público por uma criaturinha afadistada e de reduzida mioleira. A presença na vida pública portuguesa de Dom Duarte de Bragança tem sido sempre agente de elevação: da sua boca nunca se ouviu um insulto, uma palavra agreste, a expressão de alinhamento partidário ou qualquer acicate à irracionalidade. Foi e tem sido, sempre, um elemento moderador, acima das lutas pequenas, dos ódios como das paixões miseráveis. A libertação de Timor foi obra de guerrilheiros, mas também de meia dúzia de homens que correram todos os riscos - até o risco de serem chamados de Quixotes - e desse friso destaca-se a figura de Dom Duarte. Hoje, ao receber o tributo de agradecimento, Dom Duarte limpou o mau nome de um certo Portugal enlouquecido - do Portugal do abandono - e reintegrou Timor na história pátria.

3 comentários:

Pedro Leite Ribeiro disse...

Viva o Rei!
Viva o Povo Irmão de Timor-Leste!

Gi disse...

É bonito que Timor conceda a nacionalidade ao Sr. D. Duarte - o que me pareceu estranho foi que ele a pedisse.

paulofreiredapaz disse...

É que talvez os timorenses sejam mais portugueses no coração e grandeza de alma que muitos ditos portugueses. Louvo a atitude e decisão de D. Duarte. Recordo que um dia, frente ao mosteiro da Batalha eles pediram para serem considerados e decretados portugueses e nós recusámos! Que vergonha! Vários séculos é bem suficiente para tal. Para mim Eles são realmente portugueses e talvez um dia além da língua eles pessam novamente para serem portugueses. Deus o queira!