16 maio 2011

Strauss-Kahn



Tem todos os condimentos para ocupar um nicho no templo das venerações contemporâneas: é judeu, filho e neto de líderes do Grande Oriente, foi comunista e fundador da tendência Socialisme et judaïsme do PS. Acresce que é tremendamente rico. Caiu em desgraça por um desses pecadilhos que na Europa seriam motivo para aplauso machista à volta da mesa do café da esplanada ou de furioso virar de costas das exaltadas do "género". Um único senão. Por que raio se iria meter o Presidente do FMI com uma criada de quarto, no seu próprio hotel ? Sem dúvida, coisas da andropausa.

Foi na América, a Meca dos negócios e da religião descartável, de Madoff, Al Capone, Charles Manson e Las Vegas, mas também dos processos de bruxas em Salem e das muitas Great American Inquisitions, de J. Edgar Hoover ao cruzadismo atómico de Truman, do bombardeirismo à Nixon às invasões inopinadas por "razões de sapatos" e armas escondidas que DSK iniciou a via crucis. A América só é séria no acessório e descuida o essencial. O que é importante, não conta. O que não é importante, é matéria de fogos. Um povo sem dúvida inferior, uma cultura que não o é; tudo excessivo, logo, tudo insignificante. Todos os dias se vai aprendendo com essa réplica em cartão dos velhos impérios.

Diz-se que DSK tentou há anos violar uma certa Piroska Nagy ? Mas que homem que se preze tentará assediar uma fulana com tal nome ? O que surge como evidente é que a França está a milímetros de fazer a vénia ao "género" e dar a presidência a Marine Le Pen, que seria o segundo presidente de Extrema-Direita da V República após de Gaulle.

9 comentários:

Jose Flamarion disse...

Caro Amigo/Amig@,

Livros existem para aventurarem-se de mão em mão, enchendo olhos e mentes, traspassando mundos vários, continentes distantes, até mesmo galáxias perdidas deste infinito Universo, sem respeitar nem mesmo as fronteiras do senhor Tempo.

É com base neste espírito que Lisboa acaba de ganhar um novo Alfarrábio on-line. É o www.livrilusao.com, que vende livros usados e novos.

No entanto, não queremos ser apenas um alfarrábio a mais. Para além de comprarmos, vendermos e trocarmos livros, buscamos também interagir com todos que queiram trocar ideias connosco sobre livros, artes em geral e tudo o mais relacionado com Cultura.

Convidamos-te a visitar a nossa página e, se achar interessante, ajudar a divulgá-la, repassando esta mensagem para a sua lista de emails.
Vamos dar continuidade à aventura dos livros!

José Silva,
Livrilusão

Gi disse...

Miguel, se isto for verdade, não parece que se esteja a falar de pecadilhos mas de um sujeito que terá, em relação às mulheres, pelo menos àquelas em alguma posição de inferioridade hierárquica, um profundo desrespeito.
Leia aqui.

António Lino disse...

Bom dia

leio o seu blog quase diariamente, pelo interesse intrínseco evidente e pelo que me ensina acerca de um país pouco conhecido, que aprendi a ver com outros olhos. Não esquecerei as reportagens aquando da crise mais recente, que desmistificaram a visão que prevalecia na nossa comunicação social.
Não concordo com as suas diatribes contra os americanos, nem com a admiração com Sócrates ou as melhorias em Lisboa, mas acho que isso é uma questão de opinião, que me cabia apenas aceitar e respeitar.
Acho contudo que este post sobre DSK não o honra. Se o que se conta é verdade, tratou-se de um comportamento inqualificável, criminoso, de alguém que tem poder, inflúência e sente total impunidade, sobre uma simples empregada de limpeza.
Desqualificar o acontecido à laia de pecadilho, misturado com piadas deslocadas acerca de um nome, tudo misturado com valorações deslocadas sobre o comportamento americano, dão de si uma má imagem e deviam fazê-lo reflectir sobre o que escreveu.
Não escrevo este post com a intenção que o publique, apenas para manifestar a minha desilusão com alguém que tinha na maior consideração.
António Lino, Carcavelos

Combustões disse...

É evidente que não censuro nada, absolutamente nada. Cada um tem os seus gostos e estéticas e a América não faz, decididamente, o meu cup of tea. Não gosto, pronto, daquele plástico, daquele tão gabado desembaraço e criminosa atitude perante tudo aquilo que ultrapasse o imediato, o negócio e o útil. Depois, não sou "do Sócrates" porque não faço parte de partido algum, não voto nem votarei jamais. Sou independente e limito-me a exprimir factos. Se actual PM portou-se bem comigo por duas ou três vezes, por que razão não o poderei anotar ? Sei que as pessoas andam em campanha, mas daqui a um mês terão mudado. Mudarão, mas eu estarei no mesmo local, com a mesma posição, ou seja, indiferente a essas coisas.

Kubrik64 disse...

Triste comentário, se os EUA não é a sua "cup of tea" não vejo mal nenhum, cada um tem os seus gostos e opiniões, agora ter-se aproveitado do affaire DSK (o Sr. António Lino já lhe disse algumas verdades) para denegrir a imagem dos EUA, é ao nivél dos Castristas, Chavistas e Cunhalistas no seu melhor (nem quero entrar aqui em casos patalógicos), e de uma coisa tenho a certeza, os leitores do seu blog na maioria sâo pessoas bem educadas que optam pelo silêncio, porque senão o Miguel tinha que estar sempre a eliminar comentários e se calhar até elimina, agora a sua "independência" nem vale a pena comentar, e em relação à Tailândia pais que conheço bem nem faço alusão aos seus posts porque ai era de certeza censurado, mas se não publicar este comentário também não fico preocupado, cumprimentos

Joaquim Costa disse...

Se voçê considera De Gaulle um lutador pela liberdade do seu povo e do seu país, ocupado pelo inimigo nazi, um presidente da extrema-direita; então o seu caso é mesmo grave. Consulte um psiquiatra.

Combustões disse...

Caro Joaquim Costa:
Estou a repetir de memória o que Winston Churchill disse de De Gaulle aos americanos: "um candidato a ditador". Se o meu caro se der ao trabalho de consultar as repetidas mentiras de De Gaulle, chegará à mesma conclusão. Sabe, concerteza, que DE Gaulle deu um golpe de Estado em 1958, derrogou a Constituição e impôs a sua Constituição por plebiscito. Foi, sempre, um homem absoluta e conscientemente cesarista.

Joaquim Costa disse...

Caro Combustões.

Agora parece estar na moda, ou querem pô-la, a chamada democracia real.

Extrapolando, haverá modelo mais democrático do que uma constituição sufragada por plesbiscito, por oposição a uma constituição aprovada por um parlamento?

dorean paxorales disse...

um poste lúcido e notável.
um reparo: "Piroska" é um nome infeliz aos nossos olhos mas Nagy é apelido honrado de antigo império e primeiro estado multi-cultural e multi-parlamentar dentro da europa moderna.