16 abril 2011

Vão-se despir (III): Passos em terreno desminado



Exultante fiquei quando me disseram que Marcelo, Pacheco, Leite e Ângelo Correia romperam com Passos Coelho. Melhor assim, pois transformaram-se ao longo dos anos em verdadeiros repelentes eleitorais. É coisa de Polichinelo saber quem está por detrás da marosca, a tal figura envolvida até aos gorgomilos nas mais sinistras habilidades do regime, mas que persiste em asfadíssimos jogos de fingida inocência. A indicação de Francisco José Viegas e Fernando Nobre como cabeças de lista por Bragança e Lisboa anda a tirar o sono a muitos medíocres. Enfim, alguma inteligência à solta na salsaparrilha que tem sido o PSD. Compreendo, finalmente, o monarquismo de Passos Coelho. Inteligente, também, teria sido incluir o MPT nas listas.

1 comentário:

Nuno Castelo-Branco disse...

Também me parece e creio mesmo que PPC nada perderia em apartar definitivamente os náufragos das auto-estradas, do CCB e dos "cursos de manicuras". Ainda está a tempo. Se o fizer, então, sim, torna-se mesmo no presidente do PSD.