19 março 2011

O prémio Nobel da Paz...



... dirigiu-se ao governo líbio e ameaçou com desbragos de violência intimidatória que fariam enrubescer Herr Hitler. Nada de estranhar do porta voz do "arsenal da democracia", que em 1945 lançou duas bombas atómicas com o estulto argumento de "impedir carnificina desnecessária" e mandou destruir Dresden para "abreviar o conflito". O Prémio Nobel da Paz fez em cinco minutos tábua-rasa de quinhentos anos de Direito Internacional Público. Façanhas do espírito moderno. O Ocidente está reduzido à mais nua política de canhoneira e entregou-se sem condições aos bárbaros Odoricos que se julgam depositários de uma civilização que nunca compreenderam.

2 comentários:

rei-memoriam disse...

Entre "marido" e "mulher" não se mete a "colher", não é? Aguarda-se que aquele, mais cedo que tarde, a mate; depois, metodicamente, entra-se na fase de censura: não a deverias ter morto, malandro, agora serás castigado...

Assim se respeitam as "soberanias", a doméstica e a internacional. A mulher - morta estava, morta continua.

Direito: que é isso? Neminem laedere, suum cuique tribuere, honeste vivere...? Que importa isso se o assunto é interno, "cá de casa". Bárbaros são os que vêm perturbar, pretender interromper a minha soberania, não é?

JMV

Pável Rodrigues disse...

Marine Le Pen confirma força eleitoral

Extrema - direita registou "resultados históricos" nas eleições cantonais em França. PS venceu 1ª volta e a UMP de Nicokas Sarkozy foi a grande derrotada.
Ler mais aqui: http://aeiou.expresso.pt/marine-le-pen-confirma-forca-eleitoral=f638962.

Não me digam que o Prémio Nobel da Paz se prepara agora para mandar bombardear a França em nome dos sacro santos interesses dos "democratas americanos”? É que eles já nos habituaram a tudo ! O "grande" John F. Kennedy ordenou que, em nome da paz, se bombardeasse o Vietcong com Napalm! Depois, para ilustrar o seu grande amor à paz e à liberdade mandou invadir Cuba. E foi o célebre fiasco das tropas americanas na Invasão da Baía dos Porcos. Muito por culpa dessa estultícia e de outras bravatas que , sempre em nome da democracia e dos mais desfavorecidos, os sociais/socialistas nunca se cansam de produzir, o mundo foi colocado à beira do abismo na célebre tragicomédia que ficou conhecida como a Crise dos mísseis de Cuba. Não fosse o buraquito que todos nós temos no fundo das costas - até os mais empedernidos soviéticos - e a Terra ter-se-ia transformado num amontoado de destroços ou até mesmo deixado de existir.

Depois do caos , coube aos Republicanos, esses malandros capitalistas/imperialistas, salvar a onça:
-Foi ao “facínora” Nixon que coube a tarefa de limpar a trampa que os democratas tinham feito, ordenando a retirada do exército americano do Vietname e, mais tarde, ao reaccionário "cowboy" Ronald Reagan, a tarefa de colocar os soviéticos em sentido, criando as condições para o fim da guerra fria e para o derrube do muro de Berlim.

Mas, o que tem de ser tem muita força, e ao que parece os Americanos não aprenderam a lição. Depois do fiasco do democrata Bill Lewinsky, perdão, Clinton, decidiram apostar num "diferente", o senhor Obama. Para começar, ordenaram aos donos esquerdóides do Nobel que lhe atribuíssem o Prémio da Paz.

E como se pode constatar, o Prémio Nobel da Paz não se fez rogado: em cinco minutos mandou às malvas quinhentos anos de Direito Internacional Público, ordenando o bombardeamento da Líbia. Motivos? Ao que parece em Tripoli não é tão usual como noutras paragens do Médio Oriente, nomeadamente no Irão, oferecer-se à população divertimentos tão edificantes como, por exemplo, a lapidação de mulheres.

Ah! Já me esquecia. E além disso o petróleo Líbio sempre parece mais fácil de roubar: a Líbia não possui armas atómicas...