11 fevereiro 2011

Os grandes e os pequenos


Os homens revelam-se na adversidade. "Muitos inimigos, muita honra", como diziam no velho Lácio ou, glosando Larochejaquelin, herói da Vendeia, "Si j'avance, suivez-moi ; si je meurs, vengez-moi ; si je recule, tuez-moi". Os líderes são líderes porque sabem dar o exemplo. O Egipto revelou ontem ao mundo como o sim e o não de um só homem podem ser decisivos para a vida ou morte de uma nação.
Ao fim da tarde, as notícias anunciavam a resignação do velho leão. Fê-lo com dignidade e sem debandar, como tantos o fazem nas mesmas circunstâncias. Não cedeu, não se rendeu, não mandou entregar fiéis seus às mãos da plebe e não fez promessa alguma. Saiu como devem sair aqueles que nada devem: de cabeça erguida. É água cristalina que Mubarak vai ser entregue às feras e submetido aos maiores enxovalhos. Aqueles que virão - que não respeitam lei e legalidade alguma - tudo farão para que a tal justiça que dá pelo nome de "islâmica" inicie a matança com uma morte ritual: a do homem que susteve o ambismo durante décadas.
Sei que para o Egipto a democracia tal como a entendemos é coisa tão quimérica que nela so acreditará quem vive obnubilado. O Egipto vai ser - espero enganar-me - a fonte das dores de cabeça da Europa. Com a crise do Egipto aprendemos uma coisa: nos americanos não se pode confiar.


Oum Kalthoum. Raq el Habib (1941)

4 comentários:

Nuno Castelo-Branco disse...

Bem vistas as coisas, tornou-se num "tio"...

Gonçalo Ramos Ferreira disse...

...muitos que hoje regozijam com a queda do Mubarak, ainda vão praguejar pela perda do fiel da balança às portas da velha Europa.

Klatuu o embuçado disse...

Ou muito me engano ou em breve as várias facções entre os manifestantes vão começar a «limpar-se» uns aos outros... E depois as Forças Armadas inventam outro Mubarak versão softcore.
Outro cenário é um Irão às portas da Europa...

Rui Moio disse...

A América fez a Hosni Mubarak o que antes já fizera connosco. Abandonaram-no, como no 25 de Abril de 1974 abandonaram Portugal. Depois foi a vez de Mobutu e de Savimvi. A tratar assim os seus aliados a América não vai longe!...
Rui Moio