21 janeiro 2011

O voto monárquico

Nós, monárquicos, só votaremos na terceira volta das eleições; ou seja, naquelas eleições em que livremente pudermos escolher entre a forma republicana e monárquica de regime.

Nós, monárquicos, não fazemos favores nem amparamos ambições usurpadoras de uma chefia de Estado imparcial, independente, acima de partidos e ideologias, longe de clientelas e adversa, por instinto e natureza, às vaidades tolas e aos carreirismos chupistas.

Nós, monárquicos, queremos um Rei que presida às repúblicas que fazem Portugal, que dispense CV e publicidade enganosa.

Nós, monárquicos, somos monárquicos porque não queremos esta república, pelo que votar naqueles que alimentam a ilusão republicana constituiu a mais rematada contradição. Os 700 ou 800 mil monárquicos de verdade [e não só de palavras] às urnas só acudirão empurrados pela falácia do mal menor. O mal menor é sempre mal, pelo que a única maneira de não sujar as mãos e a consciência colaborando algo que nos repugna - que é mau para Portugal - é ficar em casa, não participar na encenação e não falar sobre, não comentar, não exprimir a mais leve e inocente opinião sobre esta "eleições". Domingo, não votar. Segunda-feira, falar sobre o estado do tempo, os saldos ou os planos para o almoço.

4 comentários:

João Gonçalves disse...

Lamentável, Miguel. Não está à sua altura. Abraço.

Nuno Castelo-Branco disse...

Muito bem. O tal sr. reeleito, foi-o da forma que se sabe, com quem se sabe e com a abstenção que se conhece. Agora, estão a embandeirar em arco. Pobres diabos...

António Bettencourt disse...

Sou plenamente a favor do referendo monarquia ou república. Era a oportunidade de "vós, os monárquicos", meterem, de uma vez por todas, a viola no saco por muitos e bons anos.

A questão de regime está, Portugal, mais que resolvida. Mas vós continuais com as ilusões de puberdade.

Mas por acaso até era engraçado, sem ter graça alguma, ver o senhor D. Duarte a ser publicamente enxovalhado pela classe de escroques sem educação nem biblioteca que nos governa.

E veria D. Duarte se preferiria ser rei de nada se de tal gente.

Pedro Leite Ribeiro disse...

Eu não pus lá os pés, por isso, não sujei as mãos.