30 dezembro 2010

O meu 2010: um ano para não esquecer

Irlanda, 15 de Setembro de 1916 - 30 de Dezembro de 2010
Não sou nem pessimista nem fatalista e não cultivo amarguras. As maiores provações e sacrificios, quando não matam, fortalecem. Nisto, sou muito pouco meridional ou, se quiserem, pouco semita. A vida está aí para se viver, para fazer coisas e seguir sempre, sem abatimento e sem rendições, no caminho para que as nossas ficções-dirigentes nos empurram. Este ano, agora a exalar os últimos ais, foi dos mais intensos e marcantes da minha obscura existência. Acompanhei de perto uma revolução que o não foi, assisti ao levantamento e resistência de um povo à escalada totalitária comunista-plutocrática e percorri meia Banguecoque a ou no dorso de uma motocicleta a recolher notas e fotos dos combates. Em Outubro, dei por terminado o meu primeiro livro sobre o Tratado Luso-Siamês de 1820, já o no prelo, e tenho passado estes últimos dias em casa - preso por operação cirúrgica - a preparar o meio milhar de páginas da tese de doutoramento sobre as relações entre Portugal e a Tailândia, que penso poder concluir pela primavera.

Hoje, tomou o telefone. O meu pai, informando que a nossa avó Irlanda falecera. Não tenho palavras nem consigo qualquer exercício de estilo. É um pouco de mim que morre com esta extraordinária fonte de alegrias para toda a família, a nossa Avó. Curioso. Ao terminar a chamada, senti um arranhar na porta da entrada e abri. Entrou um gato grande e gordo que saltou para cima do sofá e ocupou a casa.

13 comentários:

Samuel de Paiva Pires disse...

Lamento imenso, Miguel. Um forte abraço

Isabel Metello disse...

Os meus sentimentos, Miguel.

Gi disse...

As melhoras, Miguel.
Lamento a perda da sua avó. E espero que o gato o trate bem.

editor69 disse...

Os meus sinceros pesâmes...as avós...a raiz da familia.

Nuno Castelo-Branco disse...

Estive lá em casa e via-a, tranquila como sempre. partiu como mereceu. Sem dor, num segundo. Hoje acabou o século XX.

JJS disse...

Os meus sentimentos, Miguel.
Um forte abraço.

adsensum disse...

Uma Avó é parte de nós. Sinto muito, Miguel.

NanBanJin disse...

Estimado Miguel:

Foi com genuína tristeza que li esta notícia.

Ainda há poucas semanas ao pesquisar por um texto seu 'in illo tempore' aqui publicado no COMBUSTÕES, tinha dado por mim a ler esse seu outro delicioso texto datado de 26.08.2005 intitulado "A Avó Irlanda Vai Ser Presidente", e ao ler as suas palavras nessa breve crónica, muito naturalmente vi em mim despertar a mais espontânea simpatia e carinho pela vossa Avó Irlanda.

Eterna Paz a tenha.

Um Abraço Amigo de longe.

Luís Filipe Afonso, no Japão

Paul disse...

Une grand-mère… Que de souvenirs d'abord mêlés au bonheur de l’enfance… souvent des riens aussi simples qu’essentiels… des confitures, l’alphabet, la prière, le ronron d’un vieux matou ou d’un gentil minou… initiation et épanouissement… Avec toute ma sympathie, Paul

Ana Cristina disse...

Um grande abraço Miguel, lamento muito. As tuas melhoras. A.Cristina

JNAS disse...

os meus sentimentos e votos de melhoras
JNAS

Bic Laranja disse...

Os meus sentimentos, caro confrade.
Ânimo e votos de boas melhoras.
Bom ano novo.

PEDRO QUARTIN GRAÇA disse...

Miguel,

um forte abraço!