18 dezembro 2010

Bella Italia


Ali há debate político a sério e sem inibições tecnocráticas. O ministro La Russa enfrenta na tv um daqueles contestatários profissionais que o modelo social europeu produziu em escala fordiana. Um festim, uma orgia de palavras que só beneficia a saúde da democracia e devia ser aplicada como receita para os debates sensaborões da nossa televisão.

2 comentários:

Carlos Velasco disse...

Caro Miguel,

O La Russa fez muito bem. É pena que em Portugal falte um direita com coglioni, ao invés da direita de coglioni que temos.
Lembro que ao chegar a Bolonha para estudar, em 97, fiquei impressionado com o aspecto da Via Zamboni, onde se concentram os edifícios da universidade. Aquilo era um desfile de cães, rastas, vendedores de "especiarias" do Atlas e vadios a brincar com bolas e fogo, como nos circos.
Depois de me inscrever, fui ao "Bar dello Studente". Era um retrato do ensino nos dias de hoje. Na entrada havia uma secretária, ocupada por uns marroquinos que faziam cara de mau, e por cima do móvel uma quantidade de droga suficiente para manter uma divisão abastecida por um mês (não resisto à hipérbole). Diante de tanta palhaçada, era difícil conter o riso. Lembrava aquela cena do filme Patton, quando ele chega ao quartel para assumir o comando depois de Kasserine.
Bom, não sei como é hoje, mas na altura o ensino universitário na Itália era aberto a todos os que desejavam ingressar nos "altos estudos". Mais democrático, impossível.


Saudações luso-tropicais.

João Amorim disse...

Por cá, se um ministro se dirigisse assim na televisão era calcinado.