11 novembro 2010

Ângela Castelo Branco desvela Barreto fotógrafo

A minha irmã Ângela apresentou hoje em casa cheia a obra fotográfica de António Barreto, agora disponível num belo álbum com retrospectiva de meio século de actividade. O homem tem sete ofícios e a de fotógrafo, quiçá das mais interessantes da sua plurifacetada e rica personalidade, é uma daquelas paixões juvenis que jamais cedeu passo ao desencanto. Barreto é um homem interessante e com interesses vários. Não é um apparatchick nem um carreirista. Por mais distante que se encontre dos meus pontos de vista, o respeito pela sua independência coloca-o num nível de distinção em tudo distante dos "homens públicos" que não produzem. Quando cair a cortina do julgamento da história e as figuras ganharem escala, Barreto será lembrado - como Sottomayor Cardia ou Henrique Medina Carreira - pelo culto da liberdade e pelo destemor com que soube sempre, estando dentro do regime, fazer o seu caminho com trabalho, criatividade entrega às suas paixões e disponibilidade para pensar [e fotografar] a realidade do Portugal do nosso tempo sem o reducionismo da ideologia. A Ângela está de parabéns; o António Barreto ofereceu hoje aos olhos e sentidos dos portugueses a sua visão plástica dos homens, das cidades e paisagens que inundam o nosso quotidiano.

1 comentário:

JP disse...

Parabéns à Ângela! Quanto a AB, quer fisicamente, quer moralmente, lembra-me sempre o nosso saudoso Dr. João Taborda, não por acaso tio do próprio... Gde abraço!