02 maio 2010

Usura = globalização


Os desastres grego e islandês ficaram a dever-se à entrada em cena de uma certa multinacional criminosa que se especializou no ataque a economias vulneráveis. O mesmo fenómeno ocorreu aqui na Tailândia em 1996. Invocam-se mil e uma razões - todas justíssimas - para culpabilizar a má gestão financeira dos Estados que acabam por sucumbir por acumulação de erros das políticas económicas e financeiras, mas o agente precipitador tem um nome, conhecem-se-lhe as ramificações e sabe-se quem a coordena. É desta plutocracia a que amiúde aludo. Se não lhe quisermos dar outro nome, a globalização recobre perfeitamente a entidade, a sua natureza e práticas. É uma escola velha. Se o Banco de Portugal detectar nos próximos dias uma anormal corrida bolsista, tal anuncia que tal gente começou a abrir a sepultura onde os portugueses se irão deitar.

2 comentários:

Nuno Castelo-Branco disse...

Incrível coincidência. Coloquei hoje um post que está em sintonia com este. Não pode ser por acaso.

Carlos Velasco disse...

Caro Miguel,

Apesar disso não ser nada bom, não deixa de ser um consolo mesquinho saber que a plutocracia ocidental já começa a perder o controlo do próprio jogo. Os comunas agora sabem jogar o monopoly melhor que os "meta-capitalistas", mas isso é um tema para outra conversa.
Só é pena que o povinho ainda não se apercebeu de como ele é manipulado. Mas um dia, talvez, há de achar estranho que os senhores que emprestam aos governos perdulários, eleitos com o seu dinheiro, são os mesmos que dominam as agências de rating que dizem estar tudo bem até o dia em que o tapete é finalmente puxado e passa a estar tudo mal. Depois ficam com tudo a troco de umas migalhas nas privatizações de praxe.
Estes senhores nunca perdem nada. Quando já não há dinheiro a arrancar da classe média dos países visados, vem o FMI com o dinheiro dos contribuintes de outros países salvar os homens de cartola.
O mundo seria outro se as criancinhas, ao invés de educação sexual, aprendessem mais sobre a dialéctica hegeliana e as suas aplicações práticas.

Cumprimentos luso-tropicais.