17 abril 2010

Iam-me matando quando o disse há vinte anos




Há quase vinte anos, na embaixada do Brasil, na presença de um friso de "intelectuais", disse precisamente o que agora Soares [tardiamente] exprimiu. Foi um verdadeiro sururú de virgens ofendidas. A Cabo Verde, acrescentaria S. Tomé e Príncipe, Cabinda, Timor e, por que não, Macau, empandeirada à China sem que jamais tivesse sido reclamada por Pequim. A história da estupidez é coisa longa e penosa de se ler.

7 comentários:

PEDRO QUARTIN GRAÇA disse...

Sempre a (nossa) razão desfasada do tempo certo. É a nossa sina caro Miguel..
Abraço

Nuno Castelo-Branco disse...

Meus Deus, o que nós ouvimos por defender isso mesmo e por escrito. Passado pouco tempo, Aristides Pereira corroborou a ideia. Enfim, um dia destes pode ser que o dr. Soares - que é de longe superior ao resto do lastro que temos tido em múltiplos sectores - ainda defenderá uma Commonwealth portuguesa, com tudo o que isso implica.

Luís disse...

E que dizer da Guiné-Bissau? Basta pensarmos no caso da França, que manteve a Guiana. Não estaria melhor a Guiné Portuguesa se permanecesse ligada a Portugal?

Nuno Castelo-Branco disse...

dado o que pela Guiné hoje se passa em termos de tráficos vários, o país está a tornar-se num perigo para a segurança internacional.

Pedro Leite Ribeiro disse...

Até porque o arquipélago de Cabo Verde era desabitado aquando da descoberta. Nem por aí se pode justificar a independência. Esta aconteceu devido à sua ligação à Guiné via PAIGC.

Amílcar Tavares disse...

Meus caros,

É fácil teorizar e especular sobre estas questões. Por isso, vamos raciocinar um pouco: existe ou não um latente sentimento de inferioridade em relação ao "continente" na Madeira e nos Açores? Acham que em Cabo Verde seria diferente?

Alguém falou na Guiana Francesa. E quem fala da Guiana Francesa também pode falar da Guadalupe e da Martinica. No ano passado houve violentos protestos nesses territórios contra a exploração e a discriminação económica e social, áreas dominadas pela elite francesa.

Ainda dentro do campo da teorização e da especulação: olhando para o evidente marasmo actual socio-económico luso, "não estaria melhor Portugal se permanecesse ligada a Espanha?"

Pois é. Um berbicacho.

Amílcar Tavares disse...

Adenda ao comentário anteriormente feito: De acordo com uma sondagem que foi publicada pelo semanário português Sol em Setembro de 2006, 28% dos portugueses defendiam que Portugal e Espanha deviam ser um só país, 27% dos entrevistados diziam que a economia portuguesa ficaria melhor nesse hipotético Estado unido, mas só pouco mais de 15% estariam dispostos a aceitar como Chefe de Estado Juan Carlos I. Pela sua parte, a revista espanhola Tiempo, em Outubro de 2006, publicava que 45,6% dos entrevistados espanhóis estariam a favor da união.

Claramente, Mário Soares tem dados, mais sólidos que uma mera opinião, para reflectir enquanto goza da sua reforma.