10 abril 2010

Forte tiroteio na zona histórica da capital (actualização)

1. Disparos de armas de repetição, núvens de gás e rebentamentos sucessivos transformaram a zona histórica em campo de batalha. Do meu prédio acabo de vislumbrar uma imensa coluna militar em direcção ao palácio real. O número de feridos entrados nos hospitais ascende a 250.
2. Foi-me dito há minutos que o número de mortos - que a comunicação social continua a apontar para oito - é superior (c. de 20) e que os feridos ascenderão a meio milhar. O exército encontrou forte resistência armada e os vermelhos recorreram a granadas ofensivas e armas de repetição, demonstração clara que o movimento se encontra em fase avançada de prepração para a luta armada. A atestá-lo, o facto de no Hospital Phra Mongkut terem dado entrada cerca de 50 soldados com ferimentos causados por armas de fogo.

3 comentários:

Nuno Castelo-Branco disse...

A maior parte dos noticiários, falam em balas de borrachas, enquanto "Al-Jazeeras e os do costume" já inventam fogo real. Em que ficamos?

Pedro Leite Ribeiro disse...

Viam-se revoltosos com espingardas dos polícias que retiraram.

Nuno Castelo-Branco disse...

O que eu gostava de saber, é como reagiriam aqui na Europa a uma situação destas. Lembro-me sempre do episódio da ponte que em gravidade, nem em pesadelos se lhe comparava. Sabem como o sr. Cavaco Silva respondeu? Sabem!