22 março 2010

O "double standard"



Desfazendo o mito do poder de vida e morte que a "aristocracia possidente, reaccionária e egoísta" exerce sobre o povo, aqui fica, em registo ameno, a Tailândia que conheço: naturalmente desobediente, incumpridora e avessa à autoridade. A patroa, de partida para férias, adverte: "em caso algum abandonem a casa. Desliguem sempre as luzes. Cuidado !"
Aqui, há sempre no frigorífico dose dupla de iogurtes, bolachas, refrigerantes e chocolates, pois é hábito arreigado os empregados comerem tudo o que os patrões consomem. Que terrível opressão esta a que os multimilionários da liderança vermelha aludem.

3 comentários:

Carlos Velasco disse...

Tratamento um bocado diferente daquele normalmente dispensado por socialistas aos seus empregados.
Eu, que já trabalhei para um socialista num instituto de investigação(não se produziu nada, mas se consumiu muito), sei bem do que falo.
O que se pode esperar desta seita cujo "livro sagrado" foi escrito por alguém que violou a sua emprega doméstica e levou quase toda a família ao suicídio? E dizia querer salvar a humanidade!
Quanto às corporações, tão amigas do socialismo(=monopólio), acho que nem vale a pena discutir.
Um amigo que trabalhava para a Anheuser-Busch Inbev me contou acerca do que seus os directores, todos pró-socialismo politicamente correcto em público(em privado admitiam sua aversão às "raças inferiores", como no nacional-socialismo alemão), faziam com os vendedores menos eficientes: vestiam os coitados de palhaço e os tornavam alvo para ovos, numa cerimónia semanal. Estes eram depois motivo de chacota por parte dos colegas, que passavam a tratá-los como intocáveis a full time(quem quer ser amigo do loser?).
Isso era somente uma brincadeira na visão destes violadores da alma, e o brasileiro, é bom lembrar, "goza com tudo"(lembra da Maitê?).
Direitos trabalhistas? Isso quase não existe na realidade. O que se faz sob este nome é tornar as relações de trabalho nas pequenas empresas insuportáveis. As corporações querem o bolo todo e até se dão ao luxo de usar escravos pelo mundo afora enquanto patrocinam boas causas.
Que Deus proteja a Tailândia desta ralé e dê força a este povo.

floribundus disse...

pertenci a uma loja do grande oriente
nunes de almeida roubou-me um manuscrito sobre cisões maçónicas
o meu ex-advogado roubou-me a empresa e agrediu-me há 5 meses na cabeça na via pública. tive plateia privativa a assistir à agressão. tenho 79 anos sem saúde nem médico de família.
sou apenas contribuinte do estado social para alguns

«país de brandos costumes»

Vitor Mango disse...

caros amigos
Começamos a incluir post do vosso blog no nosso Forum
Aproveito para lerem as viagens do Poças ao Oriente
Um longo relatorio das viagens de um portugues que ama o que é portugues e que no Oriente andou a cheirar tudo o que é portugues
Parabens pelo vosso blog

http://vagueando.forumeiros.com/viagem-do-pocas-ao-oriente-f15/