04 março 2010

Importante passo para a celebração dos 500 anos de relações entre Portugal e a Tailândia

O Embaixador de Portugal na Tailândia, António de Faria e Maya, na companhia do Professor Doutor António Vasconcelos de Saldanha, em visita de trabalho a Banguecoque, encontraram-se ontem com a Vice-Reitora da Universidade Chulalongkorn para tratarem de questões atinentes ao acordo existente entre a Universidade Técnica de Lisboa e a maior universidade tailandesa. No encontro, que contou com a presença de catedráticos de vários departamentos, foram discutidos pormenores relacionados com as celebrações de 2011, tendo sido marcado por claro entendimento entre as partes. Começa, pois, a desenhar-se um programa que oportunamente aqui apresentaremos com maior detalhe. Falou-se, naturalmente, do passado das relações entre os dois países, das iniciativas que festejarão meio milénio ininterrupto desta velha aliança, mas pensou-se igualmente no futuro aprofundamento de relações de cooperação nos domínios científico, técnico e tecnológico entre a UTL e Chulalongkorn.


À noite, teve lugar um jantar oferecido pela Embaixada de Portugal. O nosso embaixador assinalou a importância do acordo hoje celebrado, lembrando a todos que em 2011 Portugal e a Tailândia oferecerão à comunidade internacional o raro exemplo de uma longa, pacífica e profunda amizade jamais maculada por desinteligências e que aqui o encontro entre o Oriente e o Ocidente foi pacífico e proveitoso para ambos os parceiros. A Vice-Presidente de Chulalongkorn, Mom Rajawongse Kalaya Tingsabadh, neta do Rei Chulalongkorn, pediu um brinde ao esforço já desenvolvido e aos preparativos que agora se desenvolverão até 2011, quando Banguecoque receberá um grande simpósio internacional inteiramente consagrado às relações históricas entre a Tailândia e Portugal.

Em plena sintonia, o Professor António Vasconcelos de Saldanha e o Embaixador António de Faria e Maya discutiram longamente sobre a organização do simpósio e outras iniciativas de natureza cultural e académica que Portugal e a Tailândia se preparam para organizar ao longo do próximo ano nas capitais tailandesa e portuguesa. Todos os obstáculos serão removidos pela determinação em honrar o nome e a palavra de Portugal, correspondendo ao entusiasmo com que a Tailândia aguarda as celebrações, ponto de viragem para um novo entendimento na década que se inicia. Importa que Lisboa se dê conta da importância deste quinto centenário, sem dúvida o mais importante da série de outras celebrações que ocorrerão em Singapura, Japão, Malásia e China. António Vasconcelos de Saldanha lembrou que as celebrações com a Tailândia são em tudo distintas das restantes, pois jamais foram interrompidas e alimentou-as sempre um conhecimento e entendimento recíproco dos objectivos nacionais permanentes dos dois Estados.

Simbolicamente, pediu o nosso embaixador que cada um prestasse homenagem aos portugueses da Madeira, enlutados pela recente calamidade. Foi servido um bolo de mel, o mais famoso e antigo da doçaria madeirense, que todos partilharam como manda a tradição: arrancando pequenos bocados com os dedos e levando-os à boca sem recurso a faca e garfo. Aos tailandeses presentes foi-lhes explicado o significado dessa prática ancestral e todos se lembraram que no próximo ano partilharemos a memória conjunta de um facto único nos anais da história diplomática.


3 comentários:

M Isabel G disse...

Mas que bem está o Miguel e o Professor:)
Um beijinho
saudades

Nuno Castelo-Branco disse...

Não sei se Lisboa, envidará qualquer tipo de decisivo esforço. Esperemos que sim.

Combustões disse...

Bem, tudo o que nos era possível fazer com entusiasmo, criatividade e boa-vontade foi feito. Agora, cabe a Lisboa. Não calculas as centenas de horas de conversas, encontros e desencontros. O Professor Saldanha esteve cá dois dias e foi uma maratona de reuniões. Milagres não fazemos !