01 agosto 2009

O Álvaro Cunhal romanesco


Cunhal era um homem de cultura e um artista; Cunhal ao longo da segunda metade do século XX foi tão importante para a vida colectiva portuguesa como o foi Salazar; Cunhal foi reconhecido internacionalmente como um grande vulto, etc, etc.

A velha história de sempre, repetida à exaustão como uma petição de princípio arredia a qualquer juízo crítico; logo, fundada numa falácia que trata de atribuir qualidades sem as avaliar. À petição de princípio soma-se a tautologia, que se refastela na longa enumeração de qualidades que não retiram nem acrescentam uma molécula à compreensão desse homem que, mesmo depois de morto, continua a receber as mais rasgadas louvaminheirices das esquerdas [e das direitas]: Cunhal era um homem persistente e tenaz; Cunhal foi coerente até ao fim; Cunhal sacrificou a vida às suas crenças, Cunhal e Salazar eram duas polaridades opostas marcadas por um forte sentido do dever (...).


José Saramago ofereceu ontem nas páginas do DN mais uma prova elucidativa dessa misteriosa demissão da inteligência que caracteriza a relação que os portugueses teimam em manter com Álvaro Cunhal. Se atentarmos nos argumentos reunidos sobre Cunhal - os impropérios como os elogios - verifica-se que se fundam nos mitos que admiradores e inimigos sobre ele foram tecendo; logo, os valores e anti-valores que Cunhal supostamente referenciava não passam de provas de afecto ou aversão que se encontram fora do sujeito, mas na estima ou repugnância que estes [valores] carregam para os indivíduos que sobre ele se pronunciam.


Cunhal foi um mito para a esquerda, como também o foi para a direita. Tudo o que a ele se refere é mero exercício de rememoração de acontecimentos: os anos de prisão, a defesa da tese de licenciatura debaixo de armas, a fuga de Peniche, o exílio no Bloco Comunista, o regresso a Portugal em Abril de 1974, o Verão Quente de 75. Tudo o que se disser sobre o homem esbarra, sempre, com acontecimentos e não com obra. A obra de Cunhal é pequena, insignificante ou nula: pequena como autor, insignificante como artista, nula como político, pois não resultou e dela pouco mais ficou que uma baça mancha. Neste particular, não há "valores", mas apenas uma prática induzida pelos acontecimentos. Cunhal foi, no máximo, um participante da história. O estranho em tudo isto é que se conseguiu fazer de Cunhal uma figura romanesca, senhor do seu destino e destinação, quando, de facto, foi sempre - e apenas - um mero fiscal de forças que não dominava: como comunista, foi perseguido pelo estado Novo; como comunista, serviu o Komintern e o Kominform. Atrelado aos acontecimentos fez o que sempre soube fazer: obedecer àqueles que o instruíam, contrariar aqueles que se lhe opunham. Quando em Novembro de 1975 se abriu, por momentos, a possibilidade de se revelar um homem de liderança, rendeu-se à evidência e acomodou-se a um tipo de regime que desprezava ainda mais que o regime que combatera. Os últimos anos de vida foram confrangedores. Um homem velho, ultrapassado, incapaz de compreender o que se passava à sua volta, escudado numa teimosia perfeitamente irracional.

Julgamos, sinceramente, que um dos maiores escolhos para a esquerda portuguesa (como para a direita) continua a ser ou santificação laica de Cunhal ou a sua demonização. Os "estudos sobre o comunismo" não lhe podem tributar a importância de ideólogo - pois nada acrescentou, inovou, modificou - no credo de Lenine. Os politólogos não mais podem fazer que a figura do pequeno burocrata de uma engrenagem que tinha sucursais um pouco por toda a geografia planetária. Neste particula, Berlinguer bate Cunhal aos pontos. Em suma, Cunhal mal existiu.

31 julho 2009

Real Associação de Lisboa


Um blogue a consultar. Entre a Espanha e o desastre só sobrevive uma ideia de unidade e liberdade.


Hino Nacional

30 julho 2009

No Golfo do Sião







Três dias fora da grande cidade. De Chonburi e Hua Hin, terminando nas cercanias de Pattaya - pois ali, com toda aquela vagabundagem farang embriagada à solta não entro - li, fiz praia e piscina e comi como um rajá. A Tailândia no seu melhor, em teca, imersa no verde e uma suave brisa marítima.

29 julho 2009

Flores do Bem: na Feira das Orquídeas de Banguecoque





Há povos que carregam infuso o bom gosto. Que eu saiba, contam-se pelos dedos as sociedades em que os indivíduos são educados de nascença para produzir objectos marcados pelo equilíbrio e harmonia. Na Europa, os italianos, na Ásia, os japoneses e os tailandeses. Outros, por mais que o tentem, esbarram sempre com a insuficiência ou com o exagero, como são os indianos, os russos e os espanhóis. Outros, ainda, nasceram com o mau gosto. Nesta categoria, claro, os árabes à cabeça, seguidos de perto pelos chineses que teimam em confundir volume, ouro e peso com harmonia. A Feira das Orquídeas de Banguecoque é um instantâneo da elevada capacidade siamesa em superar a natureza.

27 julho 2009

Le Bon: viagem ao topo do mundo



Gustave Le Bon (1841-1931) não foi apenas o autor da Psicologia das Multidões. Foi, sobretudo, um eminente orientalista, encarregado pelo governo francês de desenvolver sucessivas campanhas arquelógicas no Oriente. O autor de tão vasta obra publicada sobre as civilizações árabe e indiana não quis que os seus estudos se confinassem às academias e foi, sempre, um adepto do educacionismo e da promoção do conhecimento entre o vasto público leitor das gazetas. No início da década de 1880, desembarcou na Índia e palmilhou os agrestes contrafortes dos Himalaias em demanda do misterioso reino nepalês, então praticamente isolado do mundo. Desta jornada deixou aos leitores de Le Tour du Monde o belíssimo testemunho que acabo de comprar.
A presença de um branco entre os nepaleses era, para Le Bon, tão estranha como a de um canaque que se passeasse com os seus atavios entre os parisienses do Boulevard des Italiens. Recebido com suspeição pelas autoridades - lembraram-lhe que "com os comerciantes ingleses vêm os mosquetes e com a Bíblia as baionetas - teve, também, de provar a sua inocência política ao embaixador britânico em Katmandu, cioso dos interesses de Londres na região.
Leitura que recomendo para as férias de verão.